sábado, 21 de maio de 2016

MEU LIXO, MINHA VIDA


Desemprego em alta, renda definhada, endividamento recorde, inflação latente e um populismo insustentável. No Brasil real, a economia em frangalhos arruinou sonhos e obrigou recomeços dolorosos. Em plena capital da República, por exemplo, a atual crise arrastou uma multidão para o Lixão da Estrutural, a 15 km da Esplanada dos Ministérios. Sem carteira assinada, sem "bicos" e sem esperança, o jeito foi buscar a sobrevivência no lixo dos outros. O Antagonista esteve no local nesta manhã de sábado: encontrou famílias inteiras (muitas crianças), agora alijadas das oportunidades até então apresentadas como salvação. Entre montanhas de entulhos e restos de comida, escoltados por ratos e urubus, suportando sol a pino e um cheiro horrível, homens e mulheres procuram sua dignidade de volta. O descuido com o país nos últimos anos revela ali, tão perto do poder, uma de suas faces mais cruéis.

 O Lixão da Estrutural, em Brasília, é considerado o maior depósito de resíduos a céu aberto do mundo. Está lá há mais de 40 anos.

 O ex-governador do DF, o petista Agnelo Queiroz, o considerava, vejam só, um absurdo. Prometeu acabar com o espaço e não o fez. O atual governador, o socialista Rodrigo Rollemberg, também promete resolver o problema. Até agora...

Origem do texto  http://m.oantagonista.com/posts/meu-lixo-minha-vida