terça-feira, 17 de maio de 2016

Empresa americana recebe autorização para tentar reanimar cérebro de pacientes mortos

Primeiros resultados são esperados em até três meses


da BBC BRASIL

"Não é que irão pular e sair correndo, mas se tivermos êxito, estarão tecnicamente vivos."

Quem faz a afirmação é Iro Pastor, diretor do Reanima, um projeto da empresa americana de biotecnologia Bioquark que acaba de obter permissão para tentar ressuscitar parte do cérebro de pacientes que foram declarados clinicamente mortos.

"Não somos médicos tipo Frankestein. Trabalhamos dentro dos limites do sistema tradicional de saúde", diz ele.

A iniciativa contou com aprovação do Instituto Nacional de Ciências de Saúde Ambiental dos Estados Unidos e da Índia.



Pastor diz que a empresa está trabalhando com o hospital Anupam de Rudrapur, uma cidade do norte da Índia, para selecionar os pacientes que farão parte dos testes.

Serão pacientes que, após sofrer um acidente ou outro tipo de trauma, foram declarados clinicamente mortos, mas seguem conectados a aparelhos de suporte vital.


Ou seja, pessoas sem atividade nenhuma no sistema nervoso central - o complexo sistema que percebe estímulos procedentes do mundo exterior, processa informações e transmite impulsos a nervos e músculos - e que perderam consciência e capacidade de respirar.


"Acabamos de receber a aprovação para selecionar os primeiros 20 pacientes e estamos trabalhando com o hospital para identificar famílias que tenham algum membro clinicamente morto e que, por barreiras religiosas ou condições médicas de algum tipo, não possam doar seus órgãos", explica Pastor na conversa com a BBC

Os pesquisadores por trás do Reanima acreditam que as células-tronco do cérebro são capazes de "apagar" sua história e começar a viver de novo, baseando-se no tecido a seu redor.

É um processo que já foi observado em animais, como no caso da salamandra, cujas extremidades voltam a crescer.

Da mesma forma, outras espécies de anfíbios e alguns peixes também podem regenerar uma porção considerável de seu cérebro, inclusive após sofrerem algum trauma grave.

  

Assim, baseando-se neste princípio, os cientistas utilizarão várias terapias para tentar reanimar partes de cérebros de humanos dados como clinicamente mortos.

"É uma iniciativa complexa e combinaremos instrumentos da medicina regenerativa com outros que normalmente são utilizados para estimular o sistema nervoso central de pacientes com graves desordens de consciência", assinala Pastor.

Os pesquisadores injetarão células-tronco na medula espinhal dos "pacientes" a cada duas semanas, um coquetel de peptídios a cada dia e estimularão os neurônios com laser, entre outras técnicas.
Na Índia

Tudo isso será feito no hospital indiano. "Escolhemos fazer isso na Índia ( e não nos EUA) por dois motivos", explica Pastor à BBC Mundo.

"Em parte, a razão é econômica: os custos dos EUA seriam de US$ 10 mil por paciente, enquanto na Índia são de US$ 1.000", diz.

"Por outro lado, na Índia não se pode ter um cadáver conectado a uma máquina por tanto tempo quanto em outros países (por causa da lei local)."

A BBC Mundo fez contato com o Conselho Médico na Índia, encarregado de analisar e aprovar o projeto sob o ponto de vista ético e a única resposta que obteve é que os termos do acordo são confidenciais.

O site do setor correspondente no Departamente de Saúde dos EUA diz apenas que se trata de um "conceito aprovado".
Image copyright AP
Image caption Pesquisas feitas nas últimas décadas revolucionaram conhecimento sobre cérebro

Apesar de considerar-se que os "pacientes" estão clinicamente mortos, seus corpos seguem digerindo alimentos e reagem, entre outros, a estímulos sexuais.

Isso é sugerido por estudos recentes, que indicam que restaria algum tipo de atividade elétrica no cérebro e que o sangue continuaria circulando mesmo depois da morte cerebral.

Para o diretor do projeto, "os dilemas éticos não tem cabimento". "São casos terríveis de pessoas que perderam seu filho de 17 anos por acidente de moto. Temos permissão das instituições e das famílias, estamos cobertos."

A tarefa de reanimar um cérebro ou partes dele é um desafio científico maior do que lidar com os dilemas éticos.

"Vale a pena fazer o teste", disse à BBC Mundo Guoping Fan, professor do Departamente de Genética Humana da Escola de Medicina David Geffen, da Universidade da Califórnia em Los Angeles.

O especialista advertiu, porém, que haverá obstáculos maiores no caso de pacientes que tenham permanecido em estado vegetativo durante muitos anos.

"É como um carro abandonado, que requer a troca de muitas partes para funcionar", disse.

Por sua parte, Dean Burnett, neurologista do Centro para Educação Médica da Universidade de Cardiff, no Reino Unido, é cético sobre a pesquisa.

"Salvar algumas partes pode ser útil, mas falta um longo caminho para ressuscitar todo o cérebro em um estado funcional e sem danos", disse ao jornal britânico Telegraph.

"Ainda que tenham havido inúmeras demonstrações recentes de que o cérebro e o sistema nervoso podem não ser tão imutáveis e irreparáveis como se acreditava, a ideia de que a morte cerebral poderia ser facilmente reversível parece disparatada, dadas nossas atuais capacidades e conhecimento de neurociência", acrescentou.

Os pesquisadores do Reanima esperam ter os primeiros resultados de seus testes em dois ou três meses. Então, se saberá o quão perto - ou longe - estão de conseguir seus objetivos.

ORIGEM DO TEXTO http://www.bbc.com/portuguese/brasil-36310530