terça-feira, 27 de outubro de 2015

PALAVRA DE 2015: SILENCIO


A pior forma de intolerância, de violência, discriminação, preconceito, da pedofilia e da corrupção é o SILENCIO. Aquele tipo de SILENCIO subserviente, passivo, comodo, covarde e desonesto. Não há nada pior que o SILENCIO daqueles que teriam, em primeiro lugar, a obrigação moral, institucional, intelectual, ou mesmo de caráter de se MANIFESTAR.  O SILENCIO é a palavra de 2015. ela explica, quase que literalmente a atual crise migratória  na  Europa, explica também os padres pedófilos da igreja católica, as guerras no Iraque, no Afeganistão e na Síria, explica inclusive o surgimento avassalador do ESTADO ISLÂMICO, o SILENCIO explica  a violência cotidiana envolvendo crianças, idosos, mulheres e homossexuais, ,  veja isso, explica até mesmo,  a inverosímel permanência de um BANDIDO como presidente da Câmara dos Deputados em Brasilia.

SILENCIO, eis ai a palavra de 2015.

Não podemos ficar em cima do muro, não podemos ser indiferente, não podemos deixar que nossa cegueira e nosso fanatismo ideológico e religioso sirva como pretexto para ficarmos em SILENCIO.

Em 2014 o blog elegeu a palavra COVARDE como sendo a mais representativa do ano, e nesse famigerado 2015 elegemos SILENCIO.

Pelo menos nesse ano, SILENCIO deixa provisoriamente de ser sinônimo  de PAZ ou algo parecido, para se tornar sinônimo de COVARDIA.

 PENSEMOS NISSO.