quinta-feira, 20 de agosto de 2015

O FABULOSO ANTI-PARQUE DE BANKSY


POR LUIS MIGUEL QUEIROS

Chama-se Dismaland, um jogo de palavras que envolve a Disney e o adjectivo dismal (sombrio), apresenta-se como um “parque de estupefacções” (bemusement), vai estar a funcionar até 27 de Setembro num abandonado complexo recreativo em Weston-super-Mare, junto ao Canal de Bristol, e é talvez o mais ambicioso projecto até hoje desenvolvido pelo célebre e enigmático artista britânico que usa o pseudónimo Banksy.


Este anti-parque de diversões, onde a morte, figurada na grande ceifeira, dança ao som de Staying Alive dos Bee Gees num castelo ao estilo Disneyland, e cujas atracções incluem um barco a abarrotar de refugiados, uma carruagem da Cinderella envolvida num acidente de viação, ou uma mulher a ser atacada por gaivotas, foi hoje revelado aos meios de comunicação social e abre oficialmente no sábado, após uma pré-inauguração, na sexta-feira, exclusivamente dedicada à população local.



Uma dezena de atracções foi providenciada pelo próprio Banksy, mas a maioria foi realizada pelos mais de cinquenta artistas que aceitaram o seu desafio para colaborar no projecto, de Damien Hirst, Bill Barminski, Caitlin Cherry, Polly Morgan, Josh Keyes, Mike Ross ou David Shrigley à portuguesa Wasted Rita, que já colocou uma mensagem na sua página de Facebook a manifestar o seu entusiasmo e orgulho por participar no projecto.



A prenunciar o que espera o visitante, a entrada faz-se através da reconstituição da zona de segurança de um aeroporto, onde agentes fardados e mal-encarados desenganam os que pensavam que era só comprar bilhete e entrar. O regulamento do parque mostra bem, de resto, que os seus promotores têm experiência em lidar com grafitters e vândalos afins: é estritamente proibido entrar com latas de spray. Numa alínea de legalidade um pouco mais controversa, é igualmente vedado o acesso a quaisquer advogados que representem o grupo empresarial Walt Disney.



O local onde o parque foi montado, conhecido como Tropicana, estava abandonado há década e meia, mas chegou a ser uma das grandes atracções turísticas da frente marítima de Weston-super-Mare, com o seu edifício Art Deco, erguido em 1937, e a sua piscina ao ar livre, que chegou a ser a maior da Europa. “Adorava a Tropicana quando era miúdo, de modo que abrir outra vez aquelas portas é mesmo uma grande honra”, disse Banksy à imprensa inglesa.



A transformação de um terreno ao abandono num parque recheado com obras de meia centena de artistas dos mais diversos países não se faz de um dia para o outro, e é notável que tenha sido possível manter o segredo eficazmente guardado durante tanto tempo. Uma discrição que só foi possível com a cumplicidade das autoridades municipais, que alinharam no plano de Banksy e criaram uma manobra de diversão, convencendo a população de que o local estava a ser usado para rodar um filme.



Banksy descreve esta obra colectiva como “um parque de diversões inadequado para crianças”. Além de uma Pequena Sereia desfigurada, de um muito útil poço de fogo para queimar romances de Jeffrey Archer, ou de uma versão de Punch and Judy – um tradicional (e deveras violento) espectáculo de marionetas britânico – com alusões a Jimmy Saville (famoso apresentador de televisão acusado, após a sua morte, de ter sido um abusador sexual em série) e ao best-seller de temática sado-masoquista As Cinquenta Sombras de Grey, o Dismaland oferece-lhe, por exemplo, uma curiosa variante do minigolfe assumidamente inspirada no gosto do auto-intitulado Estado Islâmico pelas decapitações.


A atracção principal, o castelo de fadas, foi idealizado pelo próprio Banksy e inclui um sangrento acidente de carruagem, abrilhantado com o cadáver de Cinderella no chão, junto aos cavalos mortos. E como em qualquer parque de diversões que se preze, os visitantes podem levar para casa uma recordação, deixando-se fotografar no meio da carnificina


http://www.dismaland.co.uk/

ORIGEM DO TEXTO: http://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/um-antiparque-de-diversoes-criado-por-bansky-c-1705561