segunda-feira, 20 de julho de 2015

SE NÃO FOSSE A IMPREVISIBILIDADE, A MORTE PODERIA SIM, SER EDIFICANTE


O problema da morte é mesmo a imprevisibilidade, se soubéssemos antecipadamente o horário, os motivos, o local, ou seja o fato de nossa pomposa morte, e ato continuo daqueles que amamos, provavelmente nossa percepção sobre a morte, não seria tão tosca, trágica, horrível, deprimente e desesperadora, e por tabela, uma vez sabendo o dia do embarco, o dia de desocupar o beco ,  providenciaríamos uma serie de decisões genuinamente humanas, solidarias e de bom senso.

É certo que em alguns casos a morte brutal de alguém pode levar,  milhões ao êxtase, caso de Hitler, Bin Laden e outros monstrinhos tipicamente humano, mais esses são raros, afinal, a morte que provoca risos, alegria é no minimo estranha.

No final de tudo, sabendo ou não o dia do juízo final, o que importa é isso: Enquanto vivo, faça por merecer uma unica lagrima quando se for, é isso que satisfaz nosso ego, nossa compaixão, e nosso humanismo, por mais hipócrita que seja.

E sim,  se não fosse a desgraça da impressibilidade a morte poderia ser algo EDIFICANTE, construtivo, poderíamos ser diferente, ou melhor, tomar atitudes sensatas, e quem sabe mesmo, poderíamos fazer por merecer não apenas uma unica lagrimas, mais milhares de lagrimas tipico de uma unanimidade-celebridade- nacional  quando morte,

Morrer é edificante, precisamos ser mais tolerante com a morte, precisamos trata-la com mais respeito,  com menos discriminação . Um  pouco de humor nos faz bem,  mesmo quando se trata da morte.

E por falar em morte, qual será a próxima celebridade nacional, mundial a desocupar o beco, a embarcar??? Não adianta galera, é o destino de todos.