domingo, 7 de junho de 2015

Quem são os antivacinas


POR PABLO LINDE ,  JORNAL EL PAIS, MADRI : http://brasil.elpais.com/brasil/2015/06/02/ciencia/1433262146_575760.html


"Algumas pessoas questionam um dos maiores avanços da saúde mundial Por que o fazem? Que consequências tem? Neste mundo estranho, convivem os que pensam que Elvis continua vivo, os que negam que o homem tenha chegado à Lua e os que acreditam que o ser humano coexistiu com os dinossauros. E também existem os antivacinas. Ao contrário dos anteriores, estes últimos podem se transformar num perigo para a saúde pública.
ADVERTISEMENT

As vacinas são provavelmente o maior avanço contra as doenças na história da humanidade. Não é uma opinião: é o que garante a enorme maioria da comunidade científica com base em evidências. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que as vacinas evitam entre 2 milhões e 3 milhões de mortes por ano. No entanto, como não chegam a todo mundo, 2 milhões de pessoas morrem anualmente vítimas de patologias que podiam ser evitadas. A pólio, um mal que provoca terríveis sequelas, está perto de ser erradicada graças à imunização, que também conseguiu reduzir em 74% a mortalidade do sarampo em apenas uma década (de 2000 a 2010). Essa doença, que poderia desaparecer completamente por meio das vacinas, como aconteceu com a varíola, está reaparecendo em certos países ricos onde estava praticamente extinta. Nesses mesmos lugares, a difteria, doença causada por uma bactéria que acomete as vias respiratórias, já tinha virado história. Em 1941, a Espanha registrou 1.000 casos para cada 100.000 habitantes. Em 1945, teve início uma campanha de vacinação que fez desaparecer a doença até 1987, quando foi registrado o último caso. Até a semana passada, quando médicos detectaram a bactéria num garoto não vacinado em Olot (Catalunha).
Na Espanha, como em quase todo o mundo, a imunização não é obrigatória. Pode ser rejeitada por motivos de consciência, por simples ignorância ou por crenças como foi o caso do menor de Olot, que está em estado grave. Seus pais são contrários às vacinas e partidários das medicinas alternativas, segundo fontes locais.
Tendo em vista a eficácia das vacinas e o que pode significar sua rejeição, a pergunta é: o que leva alguns pais a colocar em risco a vida de seus filhos sem necessidade? Quais são esses motivos de consciência ou ideológicos que se antepõem à saúde e ao avanço científico? O pediatra Carlos González, autor do livro En defensa de las vacunas (Temas de hoy, 2011), explica que à medida que a doença desaparece e vai sendo esquecida (os mais jovens nem sequer viram suas consequências), o medo da doença se transforma em medo dos efeitos colaterais das vacinas. Esses efeitos de fato podem existir, mas são escassos – e, na enorme maioria dos casos, leves. “Esses temores são alimentados por falsas crenças dos pais. Geralmente, os que decidem não vacinar os filhos estão muito informados: leram livros e visitaram dezenas de páginas da Internet, mas estão muito mal informados”, diz o autor.
E aqui entram em cena os antivacinas. Enquanto organizações internacionais arrecadam bilhões de euros por ano para levar as vacinas aonde as pessoas não têm acesso, nos lugares onde sobra dinheiro para elas há um movimento que as rejeita. Como diz J. M. Mulet em seu livro Medicina sem enganos (Destino, 2015), em alguns bairros da Califórnia a taxa de vacinação é similar à do Sudão do Sul. Os antivacinas inundam a internet com falácias e mitos que exageram os efeitos colaterais, manipulam os dados para minimizar a efetividade da imunização, espalham medo em nome “do natural” contra “o químico”, esboçam teorias conspiratórias dos laboratórios farmacêuticos e dos Governos e aproveitam os erros e as negligências que existiram na história dos tratamentos como exemplos de que estão certos. Todos esses argumentos são refutados em detalhes no livro de González.
Diante desse panorama, os que bebem unicamente nas fontes equivocadas têm total convencimento de que as vacinas são negativas e que colocam seus filhos em perigo. Outros simplesmente escutam um boato de que as injeções escondem algo ruim e decidem evitar esse suposto veneno ao filho aproveitando a imunidade coletiva. Isso porque, se a enorme maioria da população foi vacinada, os vírus e as bactérias que causam as doenças não têm onde se propagar. Essa postura é especialmente irritante para alguns médicos, como a doutora Jennifer Raff, que escreveu no Huffington Post: “Esse é um dos argumentos mais depreciáveis que já ouvi. Para começar, as vacinas nem sempre som 100% efetivas. Por isso, é possível que um menino vacinado seja contagiado se for exposto à doença. Pior: há algumas pessoas que não podem ser vacinadas porque são imunodeprimidas ou porque são alérgicas a algum componente. Essas pessoas dependem da imunidade coletiva para sua proteção. Os que decidem não vacinar seus filhos contra doenças infecciosas arriscam não apenas a saúde deles, mas também a de outros meninos.”

Os que decidem não vacinar os filhos estão muito informados: leram livros e visitaram dezenas de páginas da Internet. Mas estão muito mal informados
A próxima pergunta provavelmente seria: o que ganham os antivacinas propagando essa desinformação? Alguns, dinheiro. Independentemente do fato de acreditarem com mais ou menos sinceridade naquilo que dizem, há um negócio em torno do medo antivacinas, embora para outros essas sejam crenças sem ânimo de lucro. A figura de maior destaque mundial do movimento é o médico britânico Andrew Wakelfield, em que em 1988 publicou na prestigiosa revista The Lancet um estudo afirmando que a tríplice viral contra sarampo, rubéola e caxumba causava autismo. Como detalha o jornalista Luis Alfonso Gámez em seu blog Magonia, “o objetivo de Wakefield era desacreditar a tríplice viral para ficar milionário com vacinas alternativas”. Ficou provado que o estudo era uma fraude, e Wakefield foi expulso da Ordem dos Médicos do Reino Unido. A revista retirou o artigo. Mas isso não impediu que o suposto relatório promovesse o movimento antivacinação no mundo inteiro. Ainda hoje alguns relacionam os transtornos autistas com as vacinas, ainda que pesquisas cada vez mais conclusivas tenham rejeitado essa associação.
Na Espanha, antes da publicação do pseudoestudo de Wakefield já existia a Liga para a Liberdade da Vacinação. Trata-se de um movimento naturalista que, antes que a liberdade, defende a antiimunização. É liderado pelo médico Xavier Uriarte, que em 2003 publicou Los peligros de las vacunas (Ática Salud). Ele e seu colega Juan Manuel Marin Olmos, autor de Vacunaciones sistemáticas en cuestión (Editorial Içaria, 2004), são certamente dois dos integrantes visíveis mais importantes do movimento antivacinas no país, embora eles próprios não gostem de ser rotulados como tais. Ambos se negaram a explicar a este jornal suas teorias sobre as vacinas e se remiteram aos seus livros.

Não vacinar um menor pode não apenas prejudicá-lo, mas também as pessoas ao seu redor, já que a imunização de grupo fica reduzida.

Para se ter uma ideia do conteúdo, este é um dos parágrafos da obra de Uriarte: “Ante qualquer doença, tanto eruptivas [...] como não eruptivas [...] – difteria, coqueluche, pólio, gripe e hepatite – a atitude mais adequada é deixar transcorrer o processo natural da doença.” No caso da difteria, a mortalidade era antigamente de 30% a 50%. Com fármacos adequados ela é reduzida a 5%. E é por isso mesmo que, no surto da Catalunha, a primeira coisa que as autoridades fizeram foi pedir com urgência um tratamento com a antitoxina para a difteria, que chegou de avião da Rússia após vários dias de alerta. Nada mais longe dos conselhos de Uriarte.
Quem deu explicações sobre sua posição foi Miguel Jara, jornalista e membro de uma associação de advogados especializados em litigar por danos atribuídos a medicamentos, cujo livro mais recente é Vacunas las justas (Península, 2015). “Não sou antivacinas, sou crítico e acho digno escutar qualquer opinião racional. Não sou médico e os menciono no meu livro: parece que as [vacinas] mais antigas e consolidadas são as mais necessárias, e há outras que foram introduzidas mais recentemente que são menos – e podem apresentar problemas. Mas não sou contra nem a favor das imunizações, defendo a escolha das pessoas.”
Certo é que as pessoas já podem escolher. O problema é que, se muitos decidem não vacinar, cai a imunização de grupo e podem surgir epidemias. Por isso, alguns Governos, como o australiano, estão optando por retirar os benefícios sociais às famílias que decidam pela não vacinação. Em alguns Estados dos EUA, não é permitido escolarizar os filhos se não estiverem imunizados para evitar surtos infecciosos nas escolas. Isso já aconteceu com o sarampo, por exemplo, em centros de educação alternativos que defendem uma visão supostamente natural da medicina.

Há Governos, como o australiano, que estão optando por retirar os benefícios sociais das famílias que decidam pela não vacinação

O médico Carlos Gonzalez, da Espanha, é extremamente crítico em relação às posições indiferentes com respeito às vacinas já que, segundo ele, as que são aplicadas têm uma segurança e eficácia comprovadas. "O consenso é o calendário de imunização do Ministério da Saúde. Em todos os países são muito semelhantes, embora não idênticos. Podem variar de acordo com a incidência de algumas doenças. Em outros casos, há pequenas diferenças: se é necessário aplicar a vacina em toda a população ou não, os riscos oferecidos pela vacina, os custos e seus efeitos. Essa avaliação pode ser diferente em cada país.”
O debate sobre efetuar a vacinação ou não é claramente um problema de países desenvolvidos. Os países em desenvolvimento não podem se dar a esse luxo; a questão não é se as imunizações devem ser aplicadas ou não, mas como fazê-las abrangendo o maior número de pessoas para evitar mortes. Muitos colaboradores inclusive perderam suas vidas na tentativa, porque o fundamentalismo islâmico na Nigéria e no Paquistão tem promovido uma cruzada terrorista contra agentes de saúde que tentam erradicar a pólio nesses países, o que seria mais um marco na história da humanidade: eliminar outra doença da face da Terra. Graças, novamente, às vacinas.


No Brasil, movimento ainda tem poucos adeptos

No Brasil, o movimento anti-vacina ainda tem pouca força. Mas o Ministério da Saúde passou a olhá-lo com uma maior atenção depois que, em 2011, ocorreram 26 casos de sarampo na Vila Madalena, região de classe média alta de São Paulo, onde se concentram pessoas mais alternativas.
Tudo começou a partir de uma criança que não tinha recebido a vacina por opção familiar e a doença se espalhou - sete bebês menores de um ano, idade a partir da qual a vacinação é recomendada, acabaram contagiados.
No ano seguinte, os casos de sarampo no país saltaram 135% (foram 5.295). Entre crianças de 1 a 4 anos, a incidência subiu de 0,5 caso por 100 mil habitantes para 8,1, entre 2010 e 2012.
Um estudo feito a pedido do Ministério da Saúde mostrou em 2012 que o índice de vacinação entre as classes altas costuma ser menor no país: 76% dos ricos não vacinaram seus filhos, enquanto entre os mais pobres a taxa foi de 81%."

ORIGEM DO TEXTO? http://brasil.elpais.com/brasil/2015/06/02/ciencia/1433262146_575760.html