domingo, 7 de junho de 2015

EM MOMENTOS DE IMPASSE, precisamos entrar na mente do 'outro'



Não sou  'espiritual', não levo nada a serio em tudo que diz respeito a espirito, seres de outro mundo, imortalidades, deuses e coisinhas do tipo, talvez, se tivéssemos a incrível capacidade de nos transcendermos para a mente do 'outro' por alguns minutos,   de repente acreditaria profundamente nisso tudo, tipo assim:

Se tivéssemos  a prazerosa capacidade de nos colocarmos na mente do 'outro' por alguns instantes para compreender o quão é falha nossa moral, nossas decisões, nossa religiosidade, nossa compaixão, e por fim, aquilo que consideramos solidariedade. Se você critica tanto os palestinos, deveria se colocar na mente por alguns instantes de algum morador, de alguma moradora de Gaza que perdeu seus filhos, nos ataques criminosos de Israel, ou então deveríamos nos colocar na mente de alguns desses refugiados que a todo momento são mortos ou resgatados no mar assassino do mediterrâneo, aqui no Brasil deveríamos por algum momento nos colocar na mente de algum membro da família dessas crianças abandonadas,que moram nas milhares de favelas, que o carioca  do asfalto finge não existir,   ou antes de sair por ai falando asneira em favor da redução da maioridade penal, deveríamos passar alguns segundos na mente de algum interno residentes  nos diversos presídios Brasil afora, ou então procurar saber na mente de algum politico do Brasil o porquê  que nada dá certo no Brasil... ,  Poderíamos também,  se tivéssemos essa capacidades de entrar na mente do outro, por alguns segundo que fosse, tentar  ter a compreensão que tudo que lemos, que nem tudo que sabemos, assistimos é fruto da mais pura verdade, é falho escolhermos UM LADO tão somente por ideologia, moral, e o pior dos erros , por comodismo de irmos além do convenientemente propagado pela mídia, pelos governos, instituições. Precisamos, em momentos de impasse entrar na mente do 'outro', não para devorar e debochar de sua privacidade, e sim para sairmos de nosso egoísmo, de nosso conforto  existencial.

Com isso, provavelmente não seriamos uma sociedade celestial, mais pelo menos seriamos mais humanos, e profundamente menos hipócrita, e com certeza nossas criticas e alienação sobre determinados assuntos seriam menos patéticas.

Ninguém precisa acreditar cegamente em Deus para vivermos num mundo melhor,  ninguém precisa acreditar fielmente na inexistência de um Deus para termos paz e tolerância,  o que precisamos de verdade, é apenas isso,  de vez em quando procurarmos nos colocar no lugar do 'outro', o resto, é  irrelevante. Mesmo porque, se não temos essa preciosa capacidade, tanto faz sermos espiritual, religioso, ateus  ou não.