sábado, 13 de dezembro de 2014

RETROSPECTIVA 2014 - PARTE 3



MONSTRO DE 2014: DILMA ROUSSEFF: Vamos parar de hipocrisia, vamos parar de canalhice, não é pelo fato do termo MULHER, que vou poupar essa desequilibrada. Vamos aos fatos:

O que esse monstro de nome DILMA ROUSSEFF fez na campanha presidencial 2014 no  Brasil para se reeleger, foi algo não apenas nojento, monstruoso, mais sobretudo vergonhoso,  as mentiras que ela inventou sobre MARINA SILVA, e por ultimo contra AÉCIO NEVES, FOI ALGO SEM PRECEDENTES, foi algo digno de pessoas sem escrúpulo, de seres que fazem de tudo para não largar o saboroso osso-do-poder. E o mais macabro,  Boa parte do Brasil entrou literalmente em suas mentiras, em suas alienações e em suas acusações no mínimo sarcástica de tão podre. Por isso a senhora DILMA ROUSSEFF foi o grande monstro de 2014, alguém que para se manter no poder foi capaz de tudo, capaz de acabar com a honra de uma candidata como MARINA SILVA, capaz de destruir com mentiras, e acusações infantis de tão toscas candidato como AÉCIO NEVES, e o mais incompreensível o brasileiro acreditar nisso tudo. Afinal somos ou não somos uma nação de alienados e analfabetos??????????????? É lamentável que o Brasil por medo de perder a bolsa-preguiça ou mesmo por covardia tenha abonado toda essa monstruosidade, toda essa covardia, toda essa alienação, e ainda tem gente que se orgulha profundamente de ter votado nessa mulher.



MULHER DE 2014: MARINA SILVA. Marina foi eleita não apenas por sua HOMBRIDADE, por sua dignidade, por sua postura e sobretudo por não se abater contra acusações destruidora e avassaladoras contra si, acusações fruto de uma MENTE DOENTE que foi o caso da senhora DILMA ROUSSEFF NAS ELEIÇÕES PRESIDECIAIS 2014. pois O QUE FIZERAM COM ESSA MULHER FOI ALGO INÉDITO NA POLITICA NACIONAL, e o mais bizarro ninguém reconhece esse disparate nem mesmo a imprensa, aliás foi ridículo a imprensa ter falado,  milhões   DE vezes que o baixo nível cresceu apenas no segundo turno das eleições, isso sim foi uma vergonha. MARINA SILVA MULHER DE 2014.

 A seguir trecho da reportagem do jornal britânico FINANCIAL TIMES QUE ELEGEU NOSSA MARINA SILVA MULHER DE 2014:

LEIA A INTEGRA no ORIGINAL: http://www.ft.com/intl/cms/s/2/57610270-7f9c-11e4-adff-00144feabdc0.html

"Marina Silva está demonstrando a melhor maneira de usar a faca de borracha do seringueiro quadrados de lâmina que seu tio fez para ela quando ela era uma criança. "Você faz um corte na madeira, como este. Dependendo da sua largura, você pode ter árvores que podem servir até oito canequinhos ", diz ela, referindo-se aos pequenos vasos, que captam a resina que sangra do porta-malas. O rústico Amazon implementar é um grande contraste com seu terno elegante. Mas se a história do Brasil desde a década de 1950 foi sobre o movimento de milhões de pobres do campo para a cidade, em seguida, algumas vidas das pessoas capturar isso melhor do que a de Silva. Um seringueiro analfabeto que trabalhou na Amazônia até a idade de 16 anos, ela passou a se tornar um senador, ministro do Meio Ambiente e candidata à presidência duas vezes.

Mas se sua mente tem firmemente feita a migração para o Brasil moderno, o espírito deste potencial futura presidente parece ainda para passear na aldeia de sua infância onde um tio, um xamã que viveu entre os índios, treinou na arte de extrair látex as árvores. "Eu sinto falta, é claro", disse ela do seringal - as plantações de borracha - em uma entrevista em São Paulo, em outubro. Apenas uma semana antes, ela havia abandonado a corrida presidencial de 2014 no Brasil após encenar o desafio mais forte em uma geração por um forasteiro política para um presidente em exercício, neste caso Dilma Rousseff do Partido dos Trabalhadores de centro-esquerda ", ou PT. "Eu sempre digo que eu era analfabeto até que eu tinha 16 anos, mas eu já tinha um PhD nos caminhos do mundo." A faca proporciona um raro momento de informalidade no que tem sido uma conversa séria com firmeza. Forthright, sério e idealista são palavras que vêm à mente quando se reúne Silva.

  O segredo para o seu apelo é que ela tem os eleitores convictos de que ela é a mais rara de políticos, quem honestamente acredita no que ela está dizendo. Isto é particularmente atraente no Brasil, que tem um grande número de partidos políticos, mas a maioria com um ideal - o poder. Enquanto seus rivais vender uma colcha de retalhos de políticas populistas, ela oferece uma visão mais holística do futuro - o Brasil como uma sociedade que é economicamente bem sucedido ainda respeitado no mundo por sua humanidade e consciência ambiental e social. Acrescente-se que ela também é uma mulher e negra, em um país em que ambos os grupos estão mal representadas na política e ela parece capturar o voto de protesto em ascensão no Brasil. Um de seus assessores econômicos, Eduardo Giannetti , que tem um PhD pela Universidade de Cambridge, disse em uma entrevista com o Financial Times no início deste ano: "Eu acho que um líder nacional com as características de Marina é rara em qualquer lugar do mundo. Ela está na linha de Nelson Mandela, ou Mahatma Gandhi ou Martin Luther King, um líder que está fundamentada na ética e valores ".

  Isso pode parecer realmente um grande elogio. Mas marca incomum da Silva da política parece diferenciá-la. Nascido em 1958, Maria Osmarina Marina Silva Vaz de Lima foi um dos 11 filhos. Seu pai, um dos poucos em sua comunidade que sabia ler nem escrever, contou os lucros de seus colegas para ver que o patrão ou chefe, da plantação não rasgá-los fora. Sua mãe era uma costureira ávido, sua tia uma parteira. Nenhum deles exigiu dinheiro por seus serviços. Seu tio xamã lhe ensinou sobre "o comportamento das aves, a fragilidade das árvores, a diversidade dos animais". "Eu aprendi com ele muitas coisas em silêncio, porque ele falou muito pouco", diz ela. Ela perdeu a mãe aos 15 e três irmãos para a doença. Regularmente doente, ela deixou o seringal para procurar tratamento e estudar para se tornar uma freira. "Eu queria ir para a cidade para cuidar da minha saúde. Eu sabia que iria morrer se eu não fiz ", lembra ela, em sua biografia, Marina: A Vida por uma Causa. Na capital do estado vizinho de Rio Branco, Silva aprendeu a ler, enquanto trabalhava como empregada doméstica. Ela se formou em história. Ela se tornou um cristão evangélico, casado duas vezes e teve quatro filhos. Ela começou sua carreira política como sindicalista, em 1984, trabalhando ao lado de Chico Mendes, o ambientalista brasileiro tarde que ajudou os seringueiros lutar fazendeiros que tentam limpar suas florestas. Em 1985, ela entrou para o PT, e em 1988 foi eleito para o conselho municipal em Rio Branco, no mesmo ano Mendes foi assassinado. Nessa época, ela também ajudou Luiz Inácio Lula da Silva - o homem que se tornaria o líder mais popular do Brasil - fase uma de suas muitas campanhas para a presidência.

 O ex-sindicalista nomeou seu ministro do Meio Ambiente, quando finalmente ganhou o cargo em 2003. Ela projetou uma queda acentuada na destruição da Amazônia por reprimir os agricultores errantes. Mas ela parou em 2008, quando ela percebeu que Lula da Silva estava se movendo para reduzir sua autoridade. "Eles são reféns dos elementos mais atrasados ​​no Congresso, aqueles que têm uma visão de aumentar a produção, expandindo a área da agricultura [por meio de compensação], não por meio de ganhos de produtividade através da tecnologia, a formação, a inovação", diz ela do PT. Silva encenou o primeiro de seus lances presidenciais pelo Partido Verde em 2010. Com infra-estrutura quase nenhum partido ou tempo publicitário TV, ela ainda conseguiu ganhar 19,6 por cento dos votos no primeiro turno, estabelecendo-se como uma força na política brasileira. Ela disse que a votação foi uma demonstração do desejo de mudança no Brasil, para a liderança que "une o país em torno do que é importante". Ela tentou e não conseguiu registrar seu próprio partido nas eleições deste ano e acabou se unindo outro líder da oposição, o ex-governador do estado de Pernambuco, Eduardo Campos, como seu companheiro de chapa. Então, em agosto, o destino interveio: Campos foi morto em um acidente de avião. Silva foi inesperadamente empurrado para a candidatura de seu Partido Socialista Brasileiro para presidente. "Eu tomei o seu lugar com menos de 40 dias para ir antes da eleição. Era uma estrutura de campanha frágil ", diz ela. Mas ela montou um voto de simpatia ao topo das pesquisas de opinião. Os mercados reuniram-se para o apoio dela, cansado da marca de Dilma de intervencionismo econômico. O PT tinha que treinar novamente sua artilharia eleitoral formidável sobre este novo arrivista. Silva foi considerado ameaçador porque sua história de vida ressoa no coração eleitoral do PT - empobrecida região norte do país e nordeste. Embora história de vida de Lula é de certa forma igualmente convincente - ele se levantou de uma família pobre do nordeste para chegar ao mais alto cargo na terra - os anos no poder e mancharam sua imagem do PT. Muitos de sua posse originais foram condenados à prisão por corrupção no ano passado e agora o partido está imerso em um novo escândalo, um suposto esquema de propina político envolvendo companhia petrolífera estatal Petrobras. "Mesmo quando conseguimos a democracia, estabilizou a economia e implementados mais uniforme distribuição de renda, tudo isso foi acompanhado por uma degradação da nossa política e instituições. Os nossos partidos e instituições públicas hoje estão seriamente comprometidos com a corrupção ", diz Silva da história do Brasil, após o fim da ditadura, em 1984. Outra diferença fundamental entre Silva e Lula é que, enquanto ele vendeu o consumo de bens de consumo para os pobres como o mais alto ideal durante seus oito anos de mandato, a ênfase de Silva é sobre o desenvolvimento humano, em especial a educação. "Eu acho que essa é uma diferença importante. Lula trouxe o sonho de consumo para o Brasil, de carros, eletrodomésticos, o acesso ao crédito. Marina traz o sonho da educação, o valor do conhecimento ", diz Giannetti, seu conselheiro. . . . Na verdade, há poucos políticos com como uma concepção moderna para o Brasil como Silva. Ela fala de um "renascimento" na vida nacional com base em explorar as vantagens naturais do Brasil. Brasil é o lar de 60 por cento da floresta amazônica, e tem uma enorme indústria de açúcar de cana, que não só fornece o etanol como alternativa à gasolina, mas também tem um enorme potencial para a geração de eletricidade.

  O país tem muito dos recursos de água doce do mundo, bem como áreas particularmente adequado para a energia eólica. Este é antes mesmo de falar sobre suas enormes descobertas de petróleo offshore. "Aqui é possível ter um novo modelo, é possível sonhar com um outro renascimento", diz ela. Silva fala de uma "nova política", uma espécie de coalizão do melhor, mais brilhante e mais honesto, provenientes de todas as partes e estilos de vida, que iria prosseguir uma nova agenda. Sustentabilidade não é apenas cuidar do meio ambiente, diz ela, é um modo de ser que toma na vida social, política e econômica, que envolve "respeitando a diversidade cultural, estética, patrimônio histórico, belas paisagens". "Sustentabilidade é talvez a única chance que temos de iniciar um novo ciclo de prosperidade para a humanidade", diz ela.

Ela vê um papel maior para as mulheres como uma parte crucial dessa. Enquanto o Brasil elegeu sua primeira mulher presidente, Dilma Rousseff, em 2010, as mulheres detêm apenas 10 por cento dos assentos no Congresso. A violência doméstica continua a ser um grande problema e as mulheres continuam a ser pago metade dos salários dos homens. Há uma falta de instalações, tais como creches, para as mães que trabalham ou estudam. "A maioria das mulheres sofrem em termos de obter o devido reconhecimento pelo seu trabalho", diz Silva. Ela acredita que as mulheres na vida pública também precisa evitar a armadilha de que ela chama de "caricatura macho" - sendo forçada a ser mais cruel do que suas contrapartes masculinas em um esforço para provar-se. "O feminino evoca a noção da capacidade de colaboração, a integração", diz ela. "O que é certo é contribuir da maneira que nós somos." Enquanto o primeiro jovem marxista em seu iria encolher, sua idéia de sustentabilidade inclui alguns conceitos da economia liberal. Ela abraçou a importância da execução de um orçamento equilibrado e conseguir o estado fora do caminho dos negócios. "Como você libertar as pessoas? O Estado tem de criar um ambiente favorável ao empreendedorismo, a criatividade ", diz ela. Durante a campanha, o PT aproveitou comentários mais liberais-econômico da Silva, como sua defesa de um banco central independente, para pintá-la como um capitalista delirante. O PT apontou para o torcedor Maria Alice Setubal, um dos descendentes da família de que a co-proprietária de Itaú-Unibanco, o maior banco privado do Brasil, como prova Silva iria aumentar as taxas de juros se eleito, assustadoras brasileiros pobres já se afogando em dívidas. Eu sempre digo que eu era analfabeto até que eu tinha 16 anos, mas eu já tinha um PhD nos caminhos do mundo O PT ainda disse Silva iria revogar a bolsa mensal Bolsa Família para as famílias pobres. Silva contra-atacou com uma propaganda emocional descrevendo como ela experimentou a fome em primeira mão como uma criança. Mas maior tempo do PT gratuito eleitoral propaganda na TV, alocados de acordo com o tamanho da coalizão de um partido no Congresso, viu os eleitores submetidos a uma barragem de anti-propaganda Silva a cada dia. Silva não conseguiu fazê-lo através do segundo turno das eleições, embora ela aumentou a sua parte do voto para 21 por cento. "Foi um processo de desconstrução, não só para ganhar a eleição, mas de destruir a pessoa, para aniquilar ele ou ela", disse ela da campanha do PT. Mas se ela ainda está visivelmente angustiado com a crueldade dos ataques, não há sinal de que eles têm diminuído a sua determinação em continuar na vida pública. Uma das campanhas do PT contra ela era uma reivindicação falaciosa de que ela iria parar Petrobras de explorar suas enormes descobertas de petróleo ao largo da costa sudeste do Brasil, diz ela. O PT tentou fazer com que estes campos de petróleo - conhecido como o pré-sal, porque eles se encontram sob uma camada de dois quilômetros do composto nas profundezas do Atlântico - a base de uma nova onda de nacionalismo de recursos no Brasil. Mas Silva mostra quão pouco respeito que ela tem para tal pensamento do século 20 com uma observação simples sobre as tribos indígenas, o governo deixou propositadamente "uncontacted" para protegê-los de incursão e doença. "Eu tenho o hábito de dizer que a nossa maior riqueza não é o pré-sal. É as 38 pessoas que ainda não foram contactados. Esse é o nosso maior tesouro, que é fantástico ", diz ela, sorrindo enquanto ela pensa daquelas figuras 4.000 quilômetros de distância, na Amazônia, ignorantes da selva urbana de Brasília e seus partidos políticos brutais. Joe Leahy é o Brasil chefe da sucursal do FT "