segunda-feira, 27 de outubro de 2014

DILMA REELEITA: 'VOU-ME EMBORA PRA PASÁRGADA'



Hoje amanheci com uma depressão profunda, com a fúnebre sensação que o ano já terminou, e assim como 2013, nada de relevante aconteceu. Tudo parece estranho, acho mesmo que nos próximos 4 anos, teremos uma imperceptível piora nos índices de 'EDUCAÇÃO' no Brasil, isso é TERRÍVEL.

Estou pensando seriamente em me mudar pra PASÁRGADA.

A questão aqui não é apenas lamentar por uma derrota, é muito mais, é sobretudo ter a nítida impressão   que não há perspectiva nenhuma de termos um futuro minimamente melhor., seja  em termos de educação, de percepção do que seja cidadania, de ética, de burocracia, de saúde, de..................

VOLTO NO PRÓXIMO DIA 1 DE NOVEMBRO DE 2014.



Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconseqüente
Que Joana a Louca da Espanha
Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive

E como farei ginástica
Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo
Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe-d`água
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada

Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização
Tem um processo seguro
De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcalóide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar

E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito
Quando de noite me der
Vontade de me matar
-Lá sou amigo do rei-
Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada.


É o próprio Bandeira quem explica:

“Vou-me embora pra Pasárgada” foi o poema de mais longa gestação em toda minha obra. Vi pela primeira vez esse nome de Pasárgada quando tinha os meus dezesseis anos e foi num autor grego. [...] Esse nome de Pasárgada, que significa “campo dos persas”, suscitou na minha imaginação uma paisagem fabulosa, um país de delícias [...]. Mais de vinte anos depois, quando eu morava só na minha casa da Rua do Curvelo, num momento de fundo desânimo, da mais aguda doença, saltou-me de súbito do subconsciente esse grito estapafúrdio: “Vou-me embora pra Pasárgada!”. Senti na redondilha a primeira célula de um poema [...].