sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Facebook rejeita foto de bebé doente por considerar que é “demasiado gráfica”

Rede social negou imagem a apelar ao apoio financeiro para um transplante de coração da criança.

POR CLAUDIA BANCALEIRO

Não é a primeira vez que uma rede social diz a um utilizador que a imagem que publicou no seu perfil não respeita os critérios de publicação. Um caso recente, que envolve o Facebook, está a tornar-se viral nos últimos dias. O pai de um bebé norte-americano que sofre de cardiomiopatia foi alertado pela rede social que uma das fotografias que tinha divulgado do filho era “demasiado gráfica” e iria ser retirada.

 Na imagem, o bebé Hudson Bond, de quase dois meses, surge entubado e com aparelhos de assistência respiratória e cardíaca. Uma semana após o seu nascimento, foi-lhe diagnosticada cardiomiopatia, uma doença que afecta os músculos do coração, podendo aumentar o seu tamanho ou provocar uma inflamação. Essa inflamação debilita os músculos e estes começam a ter dificuldade e bombear o sangue, o que pode levar a uma paragem cardíaca. Nos casos mais graves exige um transplante de coração.

 Hudson está hospitalizado desde o dia 25 de Julho num hospital na Carolina do Norte, onde lhe foi colocado um coração artificial mas está na lista de espera para um coração verdadeiro.


 Desde então, o pai de Hudson, Kevin Bond, tem alimentado com fotografias e posts uma página criada no Facebook, “Hudson Heart”, para contar a história do seu filho e pedir ajuda para pagar os custos de um transplante de coração. Kevin começou a partilhar a página e, no dia 4 de Setembro, recebeu um alerta da rede social onde era informado que uma das fotografias que tinha publicado para promover a página para donativos era “demasiado gráfica”.

 Segundo o Facebook, a imagem era “assustadora, sangrenta ou sensacionalista e evoca uma resposta negativa”. “Imagens que incluam acidentes, colisões automóveis, cadáveres ou corpos desmembrados, fantasmas, zombies e vampiros não são permitidas”, continua a explicação para a fotografia ter sido rejeitada.

 Kevin ficou chocado. “Fiquei muito magoado. Chorei. Ele é o meu filho, adoro-o. Ter alguém que rejeita uma Fotografia do meu lindo filho deitado numa cama de hospital a precisar de ajuda, isso afectou-me”, confessou o pai ao site WTVD.

 Kevin tentou chegar ao contacto com o Facebook mas nunca obteve qualquer resposta por parte da rede social. O caso chegou à comunicação social e foi apenas nessa altura que o Facebook terá reagido. Num post, o norte-americano defendeu que a rede social deveria “ter vergonha”. “De todo o lixo que coloca [Facebook] sem parar na Internet, uma foto do meu filho é onde se traça um limite? É nojento”.

 Em resposta ao pedido de esclarecimentos de alguns jornais e televisões norte-americanas, o Facebook lamentou o sucedido. “Isto foi um erro da nossa parte e o post foi reaprovado. Pedimos desculpa por qualquer inconveniente causado à família”, respondeu num curto comunicado enviado ao Huffington Post, por exemplo.

 Sem ter apresentado directamente o pedido de desculpa aos Bond, Kevi escreveu no Facebook que continuava indignado com o que aconteceu. “Ter o meu lindo filho comparado com corpos desmembrados, vampiros, zombies, etc, magoou-me e à minha família”.

 Na quarta-feira, o Facebook fez um pedido formal de desculpas. Segundo Kevin, a rede social ofereceu ainda 10 mil dólares em anúncios para divulgar o caso de Hudson. Os Bond doaram metade do valor para ajudar a causa de uma outra criança também doente e disponibilizaram-se a pagar mais tarde ao Facebook pelos anúncios agora oferecidos.

 A página onde podem ser feitos donativos para pagar a operação de Hudson continua activa. Os Bond pedem uma ajuda de 125 mil dólares. Esta sexta-feira tinham já sido doados mais de 122 mil.

ORIGEM DO TEXTO; http://www.publico.pt/tecnologia/noticia/facebook-rejeita-foto-de-bebe-doente-por-considerar-que-e-demasiado-grafica-1669327