quinta-feira, 8 de maio de 2014

PARABENS XAMBIOA, PARABENS BRUNO BARROS DE SOUSA

Bruno e o professor William Carlos participaram no Rio de Janeiro da solenidade de premiação da Olimpíada


Agora a pouco  li a noticia que o Bruninho tinha ganho outra medalha de ouro, lembrei imediatamente que no ano passado, mas precisamente em junho eu havia lhe dados os parabéns em um site de noticia do Tocantins, fui lá conferir, e não é que fora meu comentário não havia mais nenhum, devo concluir portanto que apesar da grandiosidade do feito, quase ninguém na própria cidade ficou sabendo,  decidi escrever um post sobre esse pequeno gênio, ao mesmo tempo que fiquei imaginando, qual o reconhecimento que a cidade de Xambioá tem dado ao Bruno, não só isso, o que de fato a madame Sílvia prefeita da cidade de Xambioá tem feito em pró desse garoto, o certo, logico era que o prefeito, no caso a prefeita lhe desse um premio em dinheiro ok quando digo dinheiro leia-se patrocínio, algum tipo de incentivo, como forma de reconhecimento, não só a ele, mais para a escola, e PRINCIPALMENTE a todas as professoras de matemáticas que tem incentivados esse gênio direta e indiretamente nessa escola de Xambioá, escola essa que conheço bem, pois já estudei também nessa unidade, a famosa ESCOLA PAROQUIAL SÃO MIGUEL,  justamente por isso que é justo que a administração publica reconheça isso publicamente, o que Bruno está fazendo é algo incomum em uma sociedade onde a educação é menosprezado por todos, inclusive, ou melhor principalmente pela própria administração publica, por isso que o reconhecimento da prefeitura em torno desse garoto é algo essencial, isso logico, se a prefeita Sílvia tiver um mínimo de caráter,  não é possível que não se dimensiona a proeza que ele conseguiu, não por se tratar apenas de matemática que é uma disciplina digna de gênios, mais sobretudo por se tratar de uma cidade e um estado pobre e praticamente desconhecidos no Brasil, e logico por ser uma ESCOLA PUBLICA. PARABÉNS XAMBIOÁ e cuidem bem desse garoto o nobre BRUNO BARROS DE SOUSA,  se é algo que Xambioá tem que se orgulhar é dele. Trate bem da educação dessas crianças dona Sílvia.

A seguir uma entrevista de setembro de 2013 na integra que Bruno deu para a pagina do Facebook da galera que organiza essas olímpiadas, e antes que seja tarde, PARABENS TAMBEM A PROFESSORA ELIZETE, A PROFESSORA  FERNANDA E A ATUAL PROFESSORA DE BRUNO  DE 2014 QUE NÃO SEI QUEM É,(sinceramente não sei quem esse professor da foto, se for o atual professor de Bruno, idem, parabéns) parabéns professoras : (leia maishttp://www.folhadobico.com.br/05/2014/xambioa-estudante-bruno-volta-a-ser-ouro-na-olimpiada-de-matematica.php


"Bate Papo Olímpico 61: Bruno Barros de Sousa, de Xambioá, Tocantins

BPO: Você sempre gostou de matemática?

Bruno: Sim, mas comecei a me interessar mesmo pela matéria quando passei a participar da OBMEP.

BPO: Houve professores que o marcaram, que o fizeram se interessar ainda mais pela disciplina?

Bruno: Sim, a professora Elizete e a professora Fernanda. A professora Elizete me deu aula no 6º ano. Foi ela quem mais me incentivou a participar de olimpíadas como a OBMEP. A professora Fernanda foi quem me deu aula durante o Programa de Iniciação Científica da OBMEP (PIC).

BPO: E como você ficou sabendo da OBMEP?

Bruno: No 5º ano, quando meu pai me mostrou algumas questões da Olimpíada.

BPO: A OBMEP é bem divulgada na sua escola? E há algum tipo de trabalho preparatório para a prova da 2ª fase?

Bruno: Na verdade, só depois que ganhei a medalha de ouro e uma colega, a Emily, ganhou menção honrosa que a escola passou a dar mais atenção para a OBMEP. E só há trabalho preparatório para a 1ª fase. Mas os alunos podem se reunir para estudar juntos. Este ano eu e mais dois colegas - o Davi e a Geovana (alunos da minha sala também selecionados para a 2ª fase da OBMEP) - nos reunimos para estudar um pouco.

BPO: Como foi seu desempenho nas provas do ano passado e na prova da 1ª fase deste ano?

Bruno: Participei pela primeira vez da OBMEP no ano passado. Na 1ª fase, acertei 14 das 20 questões. Na 2ª obtive uma pontuação que me garantiu uma medalha de ouro. Este ano, na primeira fase, fechei a prova.

BPO: Como foram as repercussões dessas suas conquistas na OBMEP na sua família, escola e cidade? Muita comemoração?

Bruno: Sim, fui homenageado pela minha família e pela escola. Dei muitas entrevistas para equipes de televisão e portais de internet.

BPO: Há muitos outros colegas na sua cidade também premiados na OBMEP?

Bruno: Na minha escola, eu fui ouro e a Emily ganhou menção honrosa. Além disso, houve também uma menção honrosa em outro colégio da cidade.

BPO: O que você acha do tipo de questões que caem nas provas da OBMEP?

Bruno: No começo, eu achava as questões muito difíceis (mesmo as da 1ª fase), porque não é dessa forma que nós vemos a matemática na escola. Hoje eu já acho as questões da 1ª fase bem tranquilas, mas ainda considero as questões da 2ª fase um pouco complicadas.

BPO: Como você costuma estudar para as provas da Olimpíada?

Bruno: Pelo site oficial (www.obmep.org.br), onde estão os Bancos de Questões e as provas dos anos anteriores. O PIC também me ajudou muito.

BPO: Na sua trajetória na OBMEP, houve algum momento em especial que o tenha marcado muito?

Bruno: Além da medalha de ouro que ganhei logo no primeiro ano em que participei da Olimpíada, houve também o PECI. Fiquei muito surpreso ao saber que estava entre os 12 alunos que passaram para os encontros presenciais em Brasília, no ano que vem.

BPO: Que avaliação você faz do papel da OBMEP na sua trajetória escolar? Que importância a Olimpíada está tendo na sua vida?

Bruno: A OBMEP é tudo! Foi por causa dela que passei a me interessar mais por matemática.  

BPO: Qual é a sua opinião sobre o PIC?

Bruno: Considero o PIC uma iniciativa muito legal. Com o PIC, fui apresentado a uma matemática que não costumo ver na escola. Além disso, o programa está oferecendo a mim e aos demais cursistas oportunidades e
perspectivas na área da matemática.

BPO: Você foi selecionado para a turma presencial do PECI 2013. Como foi todo o processo até a notícia de que você estava entre os selecionados?

Bruno: Tudo começou navegando no Facebook. Vi um post que dizia que já havia sido divulgada a lista dos alunos que iriam participar do PECI no ano que vem. E aí vi uma foto minha na página e alguns comentários me parabenizando. Depois entrei em um link que me redirecionou para a página da OBMEP. Baixei a lista e vi meu nome no meio! Achei isso impressionante, porque eu não acreditava que tivesse chance de estar na lista dos alunos escolhidos para os encontros presenciais. Na verdade, cheguei a pensar em não fazer a prova!

BPO: Ainda bem que você não seguiu este primeiro pensamento e acreditou mais em você e fez a prova!

BPO: E você já participou de alguma olimpíada de conhecimento sem ser a OBMEP?  

Bruno: Já participei de algumas olimpíadas de português, mas não me destaquei muito. Participei do concurso “Tempos de Escola” e da Olimpíada de Língua Portuguesa.

BPO: Quais são seus projetos “olímpicos” e escolares?

Bruno: Quero ganhar outras medalhas e premiações. 

BPO: Você já tem alguma ideia de que área deve seguir na faculdade?

Bruno: Ainda não tenho nada definido. Talvez engenharia.

BPO: E o que você gosta de fazer nos fins de semana, nos dias de folga?

Bruno: Gosto de estudar inglês.

BPO: Poderia nos contar um pouco sobre a sua cidade?

Bruno: A cidade está às margens do rio Araguaia e é muito calma. O que há mais de legal aqui é o que esse rio nos proporciona. Acho que aqui faltam mais opções de lazer. Meus pais são nordestinos, mas vivem aqui há bastante tempo. A economia da cidade gira em torno do serviço público e de empresas de cimento. "