quinta-feira, 20 de março de 2014

QUANDO A TRISTEZA É A COISA MAIS LINDA DO MUNDO



O grande problema da tristeza,  não é o sentimento em si, mais a obrigação literal que temos para com o 'outro', isso nos obriga a ter um comportamento estranho, as vezes hipócrita, e quase sempre esquizofrênico, passamos todo o tempo na obrigação de nos sentir-se bem de uma formal tal que TODOS PERCEBAM quase contrario, pronto, há definitivamente algo estranho, os nomes variam desde depressão, até mesmo loucura, muitas vezes essa tristeza é apenas momentânea, mais  de tanto negarmos termina mesmo por tomar proporções devastadoras.

Não vou entretanto me embrenhar nesse tortuoso labirinto que é a mente humana, minha intenção aqui é ENALTECER a tristeza como sendo , na maioria das vezes uma das melhores coisas que pode acontecer no  ser humano, isso acontece, quando involuntariamente, num momento máximo de tristeza, melancolia, criamos verdadeiras obras primas, ou em forma de literatura, ou musica, poesia, afeto, carinho e uma rápida e imperceptível sensação de absoluta FELICIDADE consigo mesmo, é notório , felicidade não é sinônimo de tristeza, entretanto em alguns casos isso é intrínseco e ligeiramente possível, basta apenas que estejamos absurdamente de bem com nosso próprio EU, entender isso, é NÃO ABONAR a tristeza como algo inaceitável, estranho e maléfico.

As pessoas não admitem, obvio, mais uma literatura melancólica, uma musica triste ou um filme que comove nos satisfaz mais que qualquer outro produto cuja felicidade nos faz crer ser eterna, não é, nos nos identificamos mais com a tristeza do que com a alegria, a tristeza faz parte de nossa índole, a alegria é sempre e sempre passageira, o homem é triste por natureza, a felicidade hipocrisia, saber reconhecer isso e viver isso é o diferencial de uma vida plena.

Sentir-se triste não é o problema, passar a ser quando não sabemos reconhecer isso, como algo essencial na nossa formação como ser, temos que VIRAR ESSE JOGO, sentir-se triste é, antes de tudo sentir-se BEM, ou então, não tem jeito assuma sua condição de sacripanta, e faça como milhões de seres humanos no planeta, se torne voluntariamente num refém da PODEROSA E BILIONÁRIA INDUSTRIA FARMACÊUTICA.