domingo, 27 de outubro de 2013

A DESGRAÇA QUE É A INTERNET NA VIDA DE UMA CRIANÇA DE 10 ANOS



Agora a pouco lendo um artigo no  NYTimes ( http://bits.blogs.nytimes.com/2013/10/26/teens-prove-fickle-when-choosing-their-favorite-social-network/?hpw) me deparei com esse veridicto: " "Sim, é por isso que nós vamos no Twitter e Instagram [em vez do Facebook]. Minha mãe não tem isso. " Leia o artigo na integra, que é sobre uma nova pesquisa entre adolescente sobre porquê eles estão abandonando o facebook para outros sites como Instagrm e etc, interessante.

A questão é como controlar a vida de crianças ou mesmo de adolescente numa internet cada vez mais pornográfica, ameaçadora, imunda e extremamente ociosa?? proibir, vigiar? qual o melhor jeito.

Essa semana tive que restringir o facebook da minha filha porque ela está se preparando para fazer as provas do COLÉGIO PEDRO II, para minha surpresa em questão de segundo ela criou um novo perfil  do FACEBOOK até ai nada demais,  no dia seguinte a pagina desapareceu , só tive que fazer uma rápida solicitação junto ao próprio FACEBOOK, até ai ,nada demais, minha maior surpresa foi o fato de alguns parentes seus que moram em ANÁPOLIS E BRASÍLIA, incluindo ai sua própria MÃE,  terem aceitos ela num perfil totalmente estranhos, ou seja ao invés de alertarem pela ousadia e pelo perigos eles simplesmente incentivaram compartilhando fotos e as porcarias de praxe do face, resumo , a total ALIENAÇÃO De PAIS, MÃES, FAMÍLIA COMO UM TODO é que me surpreende.

Muitos se enganam quanto a ingenuidade dessas crianças, esquecendo que com 8,9,10,11 anos de idade eles, são sim, gênios numa internet totalmente inútil em certos termos, e totalmente irrelevante e ociosa na maioria dos casos, não se trata de proibir ou algo do gênero, se trata de conhecer um mundo cada vez mais inovador e surpreendente na mente de uma  criança e,  de famílias enraizada numa cultura antiga, ultrapassada e muitas vezes preconceituosa. Como tratar isso, como enfrentar isso, vai de cada um, de cada familiar, o que não podemos é deixar que 'eles' nos controle como é, de fato o caso explicito de alguns, de algumas famílias.