quinta-feira, 5 de setembro de 2013

O BRASIL DE FABIO PORCHAT



Por que em 2013 só se fala em um tal de Fábio Porchat? Até na Bienal do Livro, li que teve um absurdo de adolescente para prestigiar o senhor Porchat, nada contra esse garoto devo realçar, ele é o que a imprensa intitula como humorista vulgarmente chamados de, conhecidos como  palhaços, portanto ele é um palhaço, vive disse coitado, digo coitado porque ser humorista-palhaço no Brasil é sofrível, todos somos palhaços, dai que esse Fábio Porchat deve ter lá suas qualidade para ter se sobressaído entre os outros milhões, portanto ele merece, seja lá o que 'esse merece' de fato signifique. O que não entendo, o que trato aqui é o tipo de espaço, de importância, de dedicação, de relevância que esse sujeito tem hoje no Brasil, impulsionado pela grande mídia, afinal o que ganhamos enaltecendo um palhaço, qual a relevância disso como um todo, ou será que  que apesar do tamanho, nós somos mesmos é uma ilha, ou então é isso mesmo, na AUSÊNCIA DE UMA MENTE BRILHANTE, DE UM NOBEL, fazemos o que? endeusamos os palhaços, iremos correndo atrás de um palhaço, e assim continuaremos, apesar da dura realidade, felizes e alegres para sempre.

Pobre da minha filha de 10 anos, que teve a infelicidade, a desgraça de ter nascido em um pais que os jovens ficam horas e horas numa filha para ver, para prestigiar um palhaço, que nem de circo é.