segunda-feira, 20 de agosto de 2012

A VIDA E O CONFORTO EXISTENCIAL - PARTE IV



A vida só vale a pena se for pela logica do conforto existencial, ou seja, à paz essencial da existência -  casa, emprego, mulher, filhos e uma situação financeira razoável, quando tudo se encontra em um mesmo patamar, podemos perfeitamente concluir que de fato a vida é maravilhosa , uma dadiva, a questão é. por que mudamos drasticamente de opinião quando um desses fatores sai do programável?

A conclusão é: nós nascemos, vivemos e morremos e nunca aprendemos, ou seria aceitamos o real estilo que a viva nos impõem, para nós a vida é especial, essa ilusão chega ao cumulo de pensarmos que tem alguma coisa de errada quando algo inesperado acontece, para nós tudo está milimetricamente programado para acontecer, preferencialmente do jeito que sonhamos. O ser humano é tão estupido que até para viver ele impõe condiçoes de superioridade, condições de algo plenamente impossível, nós não vivemos para viver, por viver, vivemos para cumprir uma missão, para nós a vida tem um significado, tudo tem um proposito, nada é por acaso. A idiotice de ego do humano é assustador, e ao mesmo tempo hilario, quanto mais nos sentimos senhor da nossa destino, mais nos sentimos único, e especial, um ser iluminado, por fim mais patético nos tornamos. OBSERVEM: depois de morto, imediatamente temos que nos livrar da carne fresca do morto. o Odor da putrefação é terrível, aliás é o mesmo odor de um rato, gato, cachorro morto, é macabro o fim de um ser humano, mais não menos engraçado, as vezes mesmo sarcástico, na verdade a morte é um sarcasmo com a vida, e vice-versa.

Ainda tem gente que faz questão de mostrar o quanto é arrogante, eu adoro os seres humanos prepotentes, arrogantes, eu sempre lembro de como ele vai terminar, eu sei que toda essa estupidez, e arrogância em pouquíssimo tempo se transformará em carne podre, de um odor insuportavel. E tenho dito, para o ser humano nada se iguala a certeza da MORTE, isto sim é uma DADIVA.