sábado, 25 de agosto de 2012

A MALDIÇÃO DE PRETA GIL E MARIA GADÚ



Chega a ser assustador a quantidade de pagina e horas que a mídia do eixo Rio-São Paulo dedicou, nos últimos 15 dias, a essas duas celebridades, digo cantoras MARIA GADÚ e PRETA GIL, aliás o tempo não importa, pois é notório que isto é comum todos os dias, basta que uma ou outra tenha um 'show' agendado para uma das duas cidades, dito isto é para se perguntar, É JUSTO?  sinceramente a única coisa que sei sobre a tal MARIA GADU é que ela é afilhada da Família Marinho e do Caetano Veloso, sinceramente,  tanto faz, um ou outro, tudo é farinha do mesmo saco, a outra coisa,que dizem sobre  ela,   super parecida com a   finada Cassia Eller, seja lá o que isso signifique, embora em termos de musica bem mais mediócre do que a Cassia, isso com certeza. E a PRETA GIL?, bom,. essa é apenas mais uma, celebridade-gostosa-falastrona no ramo, nada demais, e aí, é justo tanta dedicação, tanto espaço, tanta celebração em torno das duas, será que não existe ninguém mais competente musicalmente falando ??? Em um pais tão carente de belas vozes, e ironicamente tão repleto de vozes femininas , digo isto porque a quantidade de  boas cantoras, de pessoas que tem musica, tem letras, tem voz, de cantoras completas é enorme Brasil afora, o problema é que raramente estas anonimas tem vez na dita mídia popular, com isto suas qualidades, seus talentos não chega ao grande publico, quem perde é a musica como um todo, e principalmente os amantes da boa musica nacional, que somos obrigados a ouvir musicas idiotas, vindos de vozes e cantoras não menos idiotas, mesmo medíocres, não que isso seja o caso especifico dessas duas (e não?), mais chega a ser covardia, uma maldição melhor dizendo com a A BOA MUSICA NACIONAL:  a musica que se ver  na internet, nos barzinho, nos quatro cantos desse imenso pais.

ABAIXO PRETA GIL e MARIA GADU, e VIVA  as belas-vozes-femininas-anonimas que por sinal  se conta aos milhares, e não em torno dessas duas, está na hora do Brasil crescer, se expandir, ninguém merece tanto mais do mesmo. CHEGA.