quinta-feira, 7 de abril de 2011

MONTAIGNE, Do util e do honesto - PARTE 15

"É um erro julgar a beleza e a grandeza de uma ação pela sua utilidade e imagem que deveria fazer  e considerar, honesto tudo o que é útil".

Qual o cume da HONESTIDADE HUMANA?

O único momento , o único instante, minuto que mostramos nossa honestidade, nosso brio e hombridade, é sem duvida aqueles míseros segundos que resolvemos aleatoriamente consultar nossos instintos,, é quando deixamos  de lado a mascara, a moral, a virtude, o ego e a hipocrisia. Quando agimos por instinto estamos sendo honestos com nossa natureza animal, enfim com nossa essência, esta honestidade, entretanto pode, perfeitamente ser útil ou não, como se sabe honestidade é algo relativo, e quase sempre abdicamos dela, em pró da sociedade, dos bons costumes e da hipocrisia. RESUMO, PAGAMOS UM PREÇO DESONESTO, até para ser HONESTO.