domingo, 3 de abril de 2011

JIM MORRISON, 40 ANOS SEM O POETA


Ok, neste exato momento o BLOG XAMBIOÁ NOSSA VERDADE INCONVENIENTE abre oficialmente as comemorações (comemorações?)pelos 40 anos da morte do grande poeta do rock o jovem JIM MORRISON.


Exatamente , "na noite de 2 de julho de 1971, após ir ao cinema, JIM voltou com PAMELA para seu apartamento e deitou-se. Queixando-se de dores peito, levantou da cama e decidiu tomar um banho. Na manhã do dia seguinte, PAMELA encontrou JIM MORRISON morto na banheira de seu apartamento parisiense. Até hoje não se sabe se ele morreu de um ataque cardíaco provocado por anos de excesso ou se tomou uma 'overdose' (especula-se que ele teria confundido heroína com cocaína". O fato é que a morte de JIM MORRISON parecia confirmar o destino anterior, o guitarrista HENDRIX e a cantora JOPLIN haviam morrido em circunstancias semelhantes. Ambos tinham a mesma idade de MORRISON: 27 anos."

Poucos reconhecem JIM MORRISON como poeta, a maioria o associam como um genial-desequilibrado do rock, ou tão somente por seu rosto-estilo-vampiro, mais SIM, JIM MORRISON mostrou em vida através de suas letras-composições, melodias, que era um verdadeiro poeta do ROCK, no estilo de RENATO RUSSO, talvez, vou demonstrar apenas dois exemplos da genialidade do cara com , a primeira letra é THE END, a segunda, not to touch the earth:

JIM MORRISON, morreu a 40 anos, seu legado, pelo jeito é imortal.






O fim The Doors Revisar traduçãoEste é o fim, bela amiga
Este é o fim, meu único amigo
De nossos planos elaborados, o fim
De tudo que está de pé, o fim
Sem segurança ou surpresa, o fim
Nunca vou olhar em seus olhos outra vez
Consegue imaginar como será
Tão sem limites e livre
Desesperadamente precisando da mão de algum estranho
Em uma terra de desespero

Perdidos numa imensidão romana de dor
E todas as crianças estão loucas
Todas as crianças estão loucas
Esperando pela chuva de verão
Há perigo nos limites da cidade
Siga pela estrada do rei, baby
Cenas misteriosas dentro da mina de ouro
Siga pela estrada do oeste, baby
Monte a cobra, monte a cobra
E siga para o lago, o antigo lago, baby
A cobra é comprida, sete milhas
Monte a cobra
Ela é velha e sua pele é fria
O oeste é o melhor
O oeste é o melhor
Venha para cá e faremos o resto
O ônibus azul está nos chamando
O ônibus azul está nos chamando
Motorista, para onde você está nos levando?

O assassino acordou antes do amanhecer
Calçou suas botas
Pegou um rosto na antiga galeria
E seguiu pelo corredor
Ele foi até o quarto onde sua irmã morava
E então ele visitou seu irmão
E então ele, ele seguiu pelo corredor
E ele foi até uma porta, e olhou para dentro
Pai, sim filho, eu quero te matar
Mãe, eu quero...

Venha, baby, vamos nos arriscar
Venha, baby, vamos nos arriscar
Venha, baby, vamos nos arriscar
E me encontre atrás do ônibus azul
Fazendo um rock triste
Em um ônibus azul
Fazendo um rock triste, venha!
Mate, mate, mate, mate, mate, mate

É o fim, querido amigo
É o fim, meu único amigo, o fim
Dói te libertar
Mas você nunca iria me acompanhar
O fim do riso e das leves mentiras
O fim das noites em que tentamos morrer
É o fim.








Não Tocar a Terra

Não tocar a terra
Não olhar o sol
Nada resta a fazer, senão
Correr, correr, correr
Vamos correr
Vamos correr


Casa na colina
Lua ainda brilha
Sombras das árvores
Testemunhando a brisa selvagem
Vamos, baby, corra comigo
Vamos correr


Corra comigo
Corra comigo
Corra comigo
Vamos correr


A mansão é confortável no topo da colina
Os quartos e os confortos de lá são ricos
Os braços da cadeira luxuosa são vermelhos
E você não vai saber de nada até entrar


O cadáver do presidente está no carro do motorista
O motor roda em cola e alcatrão
Vamos andando, não vamos muito longe
Para o oriente conhecer o Czar


Corra comigo
Corra comigo
Corra comigo
Vamos correr


Whoa!


Alguns foras-da-lei vivem à beira do lago
A filha do ministro está apaixonada pela cobra
Que vive num poço à beira da estrada
Acorde, garota, estamos chegando em casa


Ya, Vamos!


Nós deveríamos ver os portões de manhã
Nós deveríamos estar dentro da noite


Sol, sol, sol
Queima, queima, queima
Em breve, em breve, em breve
Lua, lua, lua
Eu vou te pegar
Em breve!
Em breve!
Em breve!


Eu sou o Rei Lagarto
Eu posso fazer qualquer coisa