quinta-feira, 31 de março de 2011

MONTAIGNE , AS GLORIAS DA MORTE - PARTE 11

"Não quero que se diga de mim o que ouço dizer de muitos defuntos: "pensava assim, vivia assado, desejava isto ou naquilo; se tivesse falado no fim da vida houvesse dito tal ou qual coisa; posso afirma-lo porque o conheci melhor do que ninguém". Ora na medida do possível, aqui revelo minhas ideias e afeições e as revelaria mais livremente de viva voz a quem as desejasse conhecer... Quero que falem de mim com conhecimento de causa e com justiça, e voltaria do outro mundo se pudesse para desmentir que me retratasse diferente do que sou, embora para elogiar. Verifiquei aliás que dos próprios vivos falam erroneamente"

Há de se admitir que quase sempre morte é sinonimo de melancolia, solidão e uma profunda tristeza, mas... sejamos justo, para alguns, é um momento glorioso, pois somente neste momento é que são esquecidos nossos podres, nossos erros, nossas maldades intimas de cada dia, seja quem for, o morto é sempre alguém respeitado e em muitos casos glorificados como verdadeiros santos, se queres realmente ser tratado como um "ser humano", então morra,  esta é a questão, na morte todos se compadecem todos se lamentam todos honram verdadeiramente a honra de quem se foi, pouco importa que em vida o morto foi um individuo repugnante, nojento, escroto e coisa e tal, tudo isto desaparece em sua morte, nesta horas ninguém lembra destes 'detalhes' (ou para ser mais direto, ninguém tem coragem de tamanho escárnio, é nestas horas que todos mostram seu verdadeiro lado hipócrita)  todos estão preocupados apenas em salvar a honra do morto, ainda que isto de fato nada representa, ou melhor representa sim, a nossa profunda compaixão-hipocrisia para com nós mesmo. Reparem bem, até hoje nunca houve um morto que foi totalmente repugnado, esquecido, a não ser obviamente os indigentes, e estes só são porque ninguém sabe que morreram, de resto todos os mortos são dignos de boas lembranças, até os monstros, os ditadores, os homicidas, os grandes genocidas da humanidades, até estes tem lá seus fanáticos fãs, e não digo só eles, a própria morte se encarrega das honrarias de todos nós. A morte tem sim seu lado glorioso, depende apenas de que lado nos encontramos no momento , se do lado de la, ou do lado de cá, dos morto-vivos.

E o morto da semana? Bom fiquei sabendo agora a pouco que a família do senhor JOSÉ ALENCAR, não está gostando nada deste espetáculo que a mídia esta produzindo em torno de sua morte, deve ser por isso que 24 horas após a morte de JOSÉ ALENCAR a família ainda não sabia se ele ia ser enterrado ou cremado.... De resto, sim o morto merece de fato todas as honrarias (e eu seria louco, para insinuar o contrario...)

CONTINUA AMANHA