domingo, 26 de dezembro de 2010

VERDADEIRAMENTE LIVRE

Quem há de se denominar como um homem verdadeiramente livre? Quem há de ter a extrema coragem de escrever  exatamente o que se pensa e o que se é? Quem há de arcar com a liberdade extrema? O que significa  o termo liberdade? Será que tudo isso não passa de uma estupenda alienação, ou se não é, até que ponto esta liberdade é de fato liberdade?

Todos almejam algum tipo de liberdade, a tão estimada liberdade, porém somos incapaz de suportar, ou mesmo de conviver com um ser verdadeiramente livre, dito isso, é justo afirmar que o que almejamos de fato e de direito não é liberdade, é apenas uma indescritível vontade de abdicarmos de nossa covardia.

Qual o preço que se paga em ser um ser verdadeiramente livre??? Essa é fácil, é o mesmíssimo valor que se paga quando se estar, quando se sente, verdadeiramente preso.

No fundo somente um louco, um monstro ou um psicopata teria coragem para se autoproclamar um ser verdadeiramente livre. A razão é incompatível com a liberdade extrema, a RAZÃO, a nossa estimada e idolatrada RAZÃO também é covarde. Ninguém em sã consciência quer abrir mão de sua liberdade principalmente porque  o nosso conceito para liberdade é exageradamente pueril.

E para finalizar, quanto mais escrevemos, quanto mais sonhamos, pensamos sobre o conceito de liberdade, mais otario nós nos tornamos.