sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

'A ETERNA CRIANÇA'

"Acreditamos que os contos e os brinquedos são coisas da infância. Como temos vista curta! Como poderíamos viver  não importa em que idade da vida, sem contos e sem brinquedos! É verdade que damos outras nomes a tudo isso e que o consideramos de outra forma, mas essa é precisamente uma prova de que é a mesma coisa! pois, a criança, ela também considera seu brinquedo como um trabalho e o conto como uma verdade. A brevidade da vida deveria eliminar a separação pedante das idades - como se cada idade trouxesse algo de novo - e caberia a um poeta nos mostrar um dia o homem de duzentos anos de idade, que vivesse realmente sem contos e sem brinquedos". (N.)