sexta-feira, 15 de outubro de 2010

INTOLERANTISMO, A DOUTRINA MÁXIMA DO SÉCULO XXI


Não importa se o que todos almeja, seja de fato os pilares da civilização: LIBERDADE, FRATERNIDADE, FELICIDADE, e DEMOCRACIA. Não importa se temos uma imprensa livre, se as instituições são solidas, se os intelectuais são integro e honrados. Não importa se vivemos em uma democracia, em um pais socialista ou no reino dos céus. Nada disso importa quando se constata que a doutrina máxima do século XXI é o INTOLERANTISMO, ou seja, um monumento de dogmas, diretrizes e mandamentos PESSOAIS, INDIVIDUAIS, que tudo trava, que se pode conceber em torno dos milhões de significados que o homem FORMULOU até hoje da palavra LIBERDADE

O sujeito INTOLERANTE é o pior que o nazista, pior que o racista, pior que o fascista, pior que o nativista, pior do que o genocida, ele consegue ser pior do que todos estes por um singelo e monstruoso motivo, ele é tudo isso e muito mais.

O sujeito INTOLERANTE, que pertence e pratica o INTOLERANTISMO, pode ser um pacato cidadão, que por medo, covardia ou por outros motivos obscuros,  terminar por ser um psicopata desses que teme o terror, a imigração, a perda do emprego, a ajuda do governo federal. E é justamente isto que está acontecendo agora, neste exato momento, no velho, podre e INTOLERANTE continente EUROPEU, e por extensão, em menor ou maior grau no resto do mundo.

Quando o título diz literalmente que o INTOLERANTISMO é a doutrina, a grande PRAGA do século XXI, é porque abarcar o que existe de mais respeitoso na civilização, que é: o conjunto de princípios básicos em que se fundamente um sistema religioso, filosófico, politico e moral, ou seja, em nome desses sistemas, princípios e dogmas, se pratica e enaltece silenciosamente o INTOLERANTISMO. E com isso perde-se o ESCRÚPULO sem sequer se aperceber.

CONTINUA AMANHA