quarta-feira, 22 de setembro de 2010

EM DEFESA DO FANATISMO -PARTE 2

- A depreciação publica do termo FANATISMO, nasceu sobretudo por causa da religião, é aquele famoso bordão "aquele que se diz inspirado por revelação divina". Quando MARIO VARGAS LOOSA diz que "..a principal prioridade(do fanático) é sempre uma ideia ou um deus ao qual todo o resto pode e deve ser sacrificado",ele também cai nesta covarde armadilha, a de, depreciar o termo FANATISMO ao colocar o mesmo como sinonimo de religião, de intolerante, ou algo equivalente;

- A principio o fanático é o principal motor propulsor do conhecimento, da tecnologia, da medicina e de tudo que merece status. Nada se cria, nada se inventa ou aperfeiçoa sem a mente maravilhosamente doentia de um FANÁTICO, de outra forma, sem o FANATISMO a civilização ocidental,como temos hoje, não existiria. Por exemplo, o que seria da democracia, sem o fanatismo da mídia em torno da liberdade de expressão, imprensa????;

- É muito fácil rebaixar um termo nobre, ao nível de uma doença,perturbação mental, ou de uma blasfêmia, basta colocar este termo a serviço de um deus, de uma ideologia religiosa.

CONTINUA AMANHA