sábado, 18 de setembro de 2010

A DEMOCRACIA GENOCIDA E IDIOTA DA REVISTA VEJA - PARTE 3


Quando a VEJA escreve que "politicamente o IRAQUE de hoje é melhor", ou que "De modo geral, a vida dos iraquianos melhorou", ela analisa apenas no seu próprio contexto bizarro de ideologia-idiota-de-democracia, isto significa que para a repórter ANA CLÁUDIA FONSECA e consequentemente para a REVISTA VEJA, a vida do povo iraquiano só melhorou por que a sua ideologia quis que melhorasse, por este raciocínio o sofrimento, os milhões de famílias destruídas, o caos daqueles que tentam todos os dias sair desesperadamente do país é de fato UM MAL MENOR, afinal, pela democracia toda desgraça, toda forma de aniquilação é PERMITIDA, saudável e justificavel.

SADDAM HUSSEIN era um ditador, as vezes um facínora, era idolatrado e ao mesmo tempo respeitado, isto fazia que por medo, ou simplesmente pelo cargo, todos respeitassem o IRAQUE, o povo iraquiano, inclusive seus vizinhos e inimigos. HOJE não existe o ditador, o facínora, em compensação existe os norte-americanos, e o pior ninguém respeita eles, ninguém respeita o pais, o povo iraquiano, e graças a este tipo de democracia, e de ausência de poder e respeito, é que todos os anos milhares de iraquianos morrem , são aniquilados, em atentados terroristas, e continuam morrendo. Ai pergunto, em que ponto a vida do povo iraquiano melhorou???

Nos falta coragem em afirmar  que ninguém tem o direito de impor um regime(por mais perfeito e sagrado que isto seja) a força, nos falta vontade discernimento para dizer que a GUERRA DO IRAQUE foi e e, um GENOCÍDIO EM NOME DA DEMOCRACIA, nos falta percepção em admitir que hoje a vida do povo IRAQUIANOS é um INFERNO, e se houve algum tipo de melhora foi, como sempre, para aqueles que sempre estiveram ao lado do poder. Quando se diz, como a revista lembrou, que "há liberdade de expressão e eleições" no IRAQUE, se está também dizendo que SIM há de fato uma DEMOCRACIA no IRAQUE, ainda que tudo seja fruto de nossa fantástica, fabrica, capacidade de ver a luz, onde há apenas TREVAS, no sentido mais macabro e hipócrita do termo.

Ia ESQUECENDO DO PRINCIPAL, Falta, também para a VEJA E SUA ANA CLÁUDIA FONSECA algo indispensavel para qualquer JORNALISTA: UMA PAIXÃO CEGA E DESESPERADA, AOS FATOS. Ou será que este idiota que vos escreve vai ter sempre e sempre, que escrever o nome e sobrenome de um jornalista para lembrar isto?????