segunda-feira, 5 de abril de 2010

A ÉTICA, O INTERESSE DA IMPRENSA E O SACRIPANTA - PARTE IV

No auge dos jogos Sul-americanos, enquanto os nossos atletas conquistavam dezenas de medalhas na Colômbia, a imprensa nacional e a televisão dedicava horas e paginas e mais paginas em um tal de GP BRASIL CLASS 1, popularmente batizada de Formula 1 dos mares, no entanto, não havia um único brasileiro, uma única equipe brasileira, os favoritos  eram dos.............................EMIRADOS ACABES, aí eu pergunto, isto é interesse publico, ou interesse pessoal da imprensa???

Naquele mesmo sábado dia 27 de MARÇO DE 2009, dia que o Jornal O Globo e companhia, não fizeram uma única menção aos nossos atletas, a JORNALISTA MIRIAM LEITÃO, indignada pelo fato do PRESIDENTE LULA ter dito algo rotineiro, mas que a imprensa ficou profundamente magoada de beicinho(Aqui é assim basta uma besta qualquer insinuar, que a imprensa é isto ou aquilo, e pronto, logo vem milhares de outras bestas tentar defender a honra dos nossos bravos JORNALISTAS, como se criticar a imprensa fosse proibido, ou algo parecido, alias a imprensa brasileira se comporta igualmente ao VATICANO quando se refere a critica, E A AUTOCRÍTICA, existe??????)ela, em sua coluna disse a seguinte e magnifica LOROTA: "A historia costuma depurar eventuais excessos , confrontar dados, revisitar os fatos. Até porque há versões diferentes em cada jornal. Dentro de um mesmo órgão há, frequentemente, artigos que são diferentes das matérias, que divergem dos editoriais. Liberdade produz essa diversidade. A imprensa comete erros, e se corrige ou publica a opinião de quem se sente atingido. E o leitor, telespectador, ouvinte, vai formando a sua opinião ao confrontar esses dados e informações diferentes."

A SENHORA JORNALISTA MIRIAM LEITÃO, é comprovadamente uma falastrona, para não falar ilusionista, PRIMEIRO: A historia não depura os excessos cometidos pela imprensa, não aqui no BRASIL, exemplos há os milhares ao longo da historia da própria imprensa tupiniquim, SEGUNDO: Dentro do mesmo órgão, da mesma imprensa e do mesmo país, não há nenhuma divergência em relação aos editores da família MARINHO, e tudo é maquiado para parecer não para ser. TERCEIRO: Que tipo de liberdade ela se refere, será que se o repórter MARCOS PENIDO, por livre e espontânea vontade tivesse ido para COLÔMBIA fazer a cobertura dos JOGOS SUL-AMERICANOS, ELE TERIA SEU MATERIAL PUBLICADO , OU O TEMA NÃO ERA DE INTERESSE PUBLICO??? QUARTO: a IMPRENSA BRASILEIRA NÃO COMETE erros COMETES EQUÍVOCOS, BASTA LER ALGO PARECIDO QUANDO A IMPRENSA ACHA QUE COMETE ERROS, OU SERÁ EQUÍVOCOS? QUINTO: A opinião do leitor só existe se existisse pluralidade de informação, como não há, como estou provando, a opinião se torna parcial, distorcida, típica de um povo alienado, e com uma exagerada e perigosa tendência a cegueira colectiva, de fanatismo. A propósito alguém conhece algum tipo de AUTOCRÍTICA já feito publicamente na historia de nossa imprensa.

......os brasileiros não tem salvação. O Brasil é um país onde, NÓS melhor dizendo, onde a ética é sinonimo de unilateralidade e o jornalista de sacripanta, onde a liberdade de expressão, da imprensa, tem sempre dois lados, duas versões, e dois veriditos, o do dono e o do patrão

CONTINUA AMANHA