quinta-feira, 1 de abril de 2010

A ÉTICA, A IMPRENSA E O SACRIPANTA

O jornalista Armando Nogueira, disse certa vez, - não textualmente - que , há de ter atenção para o elogio não se transformar em bajulação, e a critica não se transformar em ofensa. Isto é, de fato, uma regra básica e nobre para qualquer pessoa que almeja escrever, ter um blog, por mais irrelevante e desprezível que seja o espaço , a regra tem que ser sempre lembrada e as vezes usada. E é exatamente isto que faço aqui no blog, a regra existe, é nobre, porém, eu raramente ponho em pratica.

É certo, que aqui no blog, a critica quase sempre descamba para a ofensa, assim termino por perder o rumo, a direção, a dizer coisas grosseiras , inconvenientes, isto com certeza não vem de forma gratuita, e muito menos de forma proposital, a minha indignação exagerada, nasce , principalmente, pela passividade covarde do brasileiro, pela completa ausência de percepção do que seja moralmente aceito ou não, certo ou errado, ou mesmo pela morosidade da forma pelo qual nos expressamos. Estou dizendo tudo, isto para comentar algo absurdo, inacreditável, porem normal (normal?), que aconteceu no mês passado, em  Março de 2010.

CONTINUA AMANHA