sábado, 13 de março de 2010

PATRIOTISMO, BAIRRISMO E O BRASILEIRO - PARTE III

De fato, o brasileiro é, por essência, por falta de percepção  do que seja patriotismo ou algo equivalente, ou mesmo por alienação, um legitimo BAIRRISTA, que vem a ser aquele sujeito, digo aquela população que tem uma percepção estreita, para não dizer medíocre, do conceito 'patriotismo'. Aqui, chega a ser engraçado, mais a verdade é que nós só consideramos como pátria o ESTADO natal, a CIDADE em que se mora , a sua micro região onde é domiciliado, é com este equivoco típico de um retardado  que terminamos por desprezar, esculhambar, tudo quanto se refere aos outros Estados, tipo assim, o cara nasce em São Paulo e para ele ser brasileiro é ser Paulista, ele é incapaz de defender a honra de seu próprio pais, é incapaz de se sentir brasileiro, no entanto por São Paulo ele briga, ele se torna o grande defensor, como se o Estado e não o País, fosse no fundo o que lhe representa nacionalmente e mundialmente, aqui e lá fora. Muitas vezes este mesmo cara, sujeito, se esquiva de abrir a boca dentro de um metro em Nova York, tudo , óbvio, com receio de que alguém descubra que ele é um legitimo tupiniquim.

Todo este assunto explica o desespero-alienado-sentimental do governador do Rio o nobre SÉRGIO CABRAL FILHO, o sujeito agiu ,age, com um bairrismo tão baixo. tão medíocre,  tão sem lógica, tão ufanista, que a primeira vista, alguém pode até achar como sendo certo, como se ele estive sendo sincero, ou pior, como se  tudo fosse de fato verdade ,como se tudo que ele disse fosse digno de ser levado a sério naquele papo furado que o Estado do Rio vai quebrar caso as receitas do Petróleo seja dividida por todos os Estados.

Este caso explica bem, a diferença entre BAIRRISTA, BAIRRISMO, e PATRIOTISMO, e fica claro , nós somos todos bairrista, cada um defendendo seu próprio bairro, seu próprio ego, ,interesse, ponto de vista, egoísmo, seu próprio interesse politico, financeiro,seu próprio umbigo, seu próprio fanatismo ideológico, seu próprio ufanismo, como se no fundo todos não  pertencesse ao mesmo 'saco', ao mesmo 'nucleo', e por fim ao mesmo 'país'.

O bairrismo é algo comum, em países com muitos estados, mas aqui, beira o absurdo, de tão ridículo, de tão chulo, de tão normal. Aqui o brasileiro vive como se ele, não se sentisse brasileiro, é esquisito, mais é lógico em se tratando de brasileiro, por exemplo o carioca vive humilhando, ridicularizado, o cearense, o paraibano, até parece que o carioca fala francês, e o nascido na Paraíba é que fala português, como se um fosse mais digno que o outro, quer algo mais podre?  mais bizzaro???

SEGUE AMANHA