terça-feira, 29 de dezembro de 2009

A VIVACIDADE DO VIVER - PARTE 21

A grande questão mundial, no sentido existencial é: acredito em Deus, ou acredito na natureza, sem Deus. Este dilema é velho, insuportável mesmo, não se trata de negar Deus, o conceito da crença é algo puramente humano, glorificar uma divindade, assim como nossos antepassados glorificava o sol, a lua, a chave e coisa e tal, portanto, o debate entre crê e não crer, é irrelevante, pois é prematura afirmar que isto tem importância. Se Deus existe ou não isto não interessa, cada um tem o Deus que merece, pois é sabido e certo que todos que crêem em Deus, batalharam arduamente para ter direito a esta crença. A questão é, não podemos abdicar da vivacidade do viver, em pró de uma divindade , seja ela qual for e quem for, pois Deus como tal, tem que aceitar que o homem é parte da natureza terrestre, ir além , é admitir que sofre de perturbação mental, e no caso explicito, as igrejas por mais acolhedora que aparenta ser não é o lugar indicado e nem aconselhado, o lugar certo é uma clínica psiquiatria, Deus existe? existe, mesmo porque isto é uma questão intimo de cada um, agora, por favor, não venha me forçar a ter um estilo de vida que vá contra minha própria natureza que fui criado, e que vivo, pois, Deus pode ter várias significado, inclusive o Deus poderoso, ninguém é indiferente a Deus, pelo bem , ou pelo mal ou será mau, e não reconhecer isto é que é abominável, pois é certo, que se Deus fosse uma unanimidade a humanidade não era humana, era santa.(continua)