quinta-feira, 19 de novembro de 2009

'É INSENSATO SER INJUSTO'

"Uma injustiça que fazemos a alguém é muito mais pesada de carregar do que uma injustiça que outro nos fez (não precisamente por razões morais, deve-se observar), pois aquele que age é sempre aquele que sofre, mas bem entendido, somente quando é acessível ao remorso ou à certeza de que, por seu ato, terá armado a sociedade contra ele próprio se isolou. É por isso que, abstraindo totalmente o que manda a religião e a moral, deveríamos, mesmo que fosse no interesse da própria felicidade interior, portanto, para não perder o próprio bem-estar, evitar de cometer uma injustiça e mais ainda sofrer uma; de fato, neste ultimo caso, temos o consolo da boa consciência, da esperança da vingança, da compaixão e da aprovação dos homens justos e até mesmo da sociedade inteira, que teme os malfeitores. - Alguns, e não são em numero reduzido, lançam mão da astucia desonesta para transformar toda injustiça que cometeram numa injustiça que sofreram e assim se reservar, para desculpar-se do que fizeram , o direito excepcional da legitima defesa: para carregar assim mais facilmente seu fardo". (N.)

DUAS VEZES INJUSTO:

"Favorecemos as vezes a verdade por uma dupla injustiça; é o caso quando vemos e representamos, uma após outra, as duas faces de uma coisa que não vemos e representamos, uma após outra, as duas faces de uma coisa que não somos capazes de ver em conjunto, mas de maneira a ignorar ou a negar cada vez a outra face, com a ilusão de que aquilo que vemos é toda a verdade"! (N.)