terça-feira, 24 de novembro de 2009

BASTAM 2 PALAVRAS - PARTE II

Tentar fugir desta verdade - aliás verdade está que é a única que não há constetação - é cair eternamente no obscurantismo, onde o moderno é apenas continuação da mesmice, e a emancipação é sinonimo de comodismo disfarçado de príncipe encantado. Não se pode ir contra a sua própria essência, mesmo quando isto significa o desmascarar da nossa verdade e tudo mais que nos envergonhamos. A essência humana é feito mesmo da inesgostavel sede de poder, e de nosso absoluto egoísmo, e admitir está sujeira-pessoal, não é se prestar a uma inegável evidencia, podemos sim , aproveitar esta incapacidade de raciocínio, para aprendermos sobre nós mesmo, e tentar achar uma brecha em muita de nossas duvidas existencial, ou então para se entender que muita de nossas angustias, poderia se reverter em boas atitude, desde quando, lógico procurássemos ver tudo sob a otica do que realmente somos, ou seja, não se envergonhar de suas fraquezas e sim assumi-la, não sei , se de fato, seria confortável, mas não resta duvida, que enriqueceria ainda mais o entendimento sobre o sentido da vida, se é que existe algo parecido, para explicar a nossa vida. Como procurar entender algo se somos incapaz de entendermos a razão destes questionamentos?

Pode ser mesmo que a negação, em torno disso, seja útil a humanidade, a negação em torno do poder e egoísmo, como sendo a essência do humano, nos é conveniente, assim estamos dando continuidade a busca em torno da utopia, afinal, não é está idiotice que nos move, e nos mantém vivo?, não é a toa que a cobra é um ser angelical. Como é que é?? Pelo menos comparado a humanidade...