domingo, 18 de outubro de 2009

O DEUS PERFEITO


Todos, até o ateu, tem uma espécie de Deus dentro de si, isto é certo, embora os deuses costumam se agredirem entre si, por exemplo o Deus católico é bem mais incomodo que o Deus evangélico e este com os protestantes, e assim sucessivamente, passando pelo budismo e dezenas de outras religiões, o que quero dizer que Deus não é 'uno', ao contrário daquela frase idiota: Existem muitas religiões, mais DEUS é um só, ele é sim uma colcha bem feita, de minúsculos retalhos, onde cada retalho representa uma espécie de Deus, um conceito de divindade, que se parece, mas no entanto são totalmente diferente entre si, do contrario não existia tanto ódio entre as religiões, estou errado? bom, continuando, ele é sim uma colcha, bem feita, de minúsculos retalhos, que no final , o propósito é o mesmo, acobertar a suprema fraqueza moral da famigerada humanidade, que por sinal , nem mesmo é humana.

Diante disso que venho por meio desta afirma que também tenho meu Deus perfeito, embora ele, também, seja diferente, pois nunca bato na sua porta para agradecer por mais um dia de vida, nem por minha saúde, nem digo: - vá com Deus, ou então: - Durma com Deus, ou aquela outra máxima: Que Deus ilumina seu caminho. O meu Deus não olha por mim, portanto não lhe devo nada e nem espero nada, o meu Deus é real, embora dele nada espero, e nada desejo, nem mesmo espero que ele me perdoe, ou mim abençoe, também não conto com sua clemencia, misericordia e nem justiça. Tudo que eu quero é que ele DEUS, continuei a ser o que sempre foi, e é de fato, um Deus sem ser omnisciente, sem ser onipresente, sem sem onipotente, de DEUS desejo apenas que ele seja DEUS, preferencialmente sem nenhum tipo de PODER. Igual ele de fato é, um Deus perfeito, afinal, imperfeito é a humanidade em desejar para si um Deus platonico, utópico, onde só se leva em consideração o egocentrismo de seu próprio EU e nada mais.

A verdade neste caso é uniforme: DEUS, é o que queremos que ele seja, é o que imaginamos, pensamos e sonhamos, diante dessa constatação, é plausível afirmar que a chave do mistério do mundo, não está em Deus, e sim em nossa própria imaginação. Quem há de me contradizer??