segunda-feira, 6 de julho de 2009

A MÍDIA E SEU LADO GLORIOSO E MACABRO DE SER - PARTE V

O único e verdadeiro gênio que a mídia produziu, criou, foi mesmo este que acabou de morrer, M. Jackson, não foi apenas um cantor, foi o único que soube tirar proveito da mídia para mostrar sua genialidade, pois é muito pouco provável que Michael tivesse obtido sucesso, notoriedade se fosse a 150 anos atrás, ele não é apenas uma lenda, é também o grande nome da midia, da historia da midia mundial. Michael representa para a midia a mesma importância que damos a ela o mesmo papel que a chegada do homem a lua representou diante da nossa conquista ao espaço. O legado dele é enorme se se levado em conta não apenas seu lado musico , mais também sua importância diante das constantes inovações tecnológicas que ocorreu com a midia ao longos deste tempo. Michael representa para televisão algo glorioso, quando se analisa a historia da mesma, o seu sucesso representa tudo aquilo que a midia representa. Ele representa o lado glorioso da midia, e também o mais macabro, que é o poder que ela tem de construi e destruir algo, ao mesmo tempo que aparentar exaltar este algo. Infelizmente Michael foi caso único na historia da midia, e é impossível que a historia um dia volte a mostrar algo idêntico, pelo menos não enquanto o obscurantismo , predominar, reinar na midia. Ou então, enquanto nós nos darmos por satisfeito.



Mais o maior comprazimento, é mesmo o que diz respeito ao sentimento, a dor humana, porque a mídia, a televisão tornou isto tão grotesco que das duas uma: ou nós estamos perdendo totalmente o respeito merecedor, para com os nossos próprios sentimentos para com a nossa dor interna, ou então estamos mesmo é perdendo a concepção do que seja sentimento, pois ao se deleitar assistindo cenas em que, se ridiculariza nossa dor, diante de nossas fraquezas, estamos ao mesmo tempo nos regozijando perante a dor extrema. Como alguém pode sentir prazer, assistindo cenas em que se foca explicitamente, mães chorando em cima do cachão funesto de seu próprio filho, seu próprio marido, sua magistral dor individual e instransferivel, como alguém pode sentir compaixão com a dor de quem a mídia escolheu , para nos compadecer. O que dizer então da mãe ou do pai, que dias depois, ou mesmo na hora,da morte de seu ente querido resolver aparece em programas de entretenimento tão somente para dividir com as pessoas algo que é individual, aquela velha resposta, desculpa, que é para cobrar justiça, para o exemplo, como uma forma de servir como exemplo para que aquilo não volte a acontecer com outras pessoas, tudo isto, é lamentável, tudo isto só serve para se debochar ou mesmo duvidar de sua própria dor. A morte, a nossa morte tornou para a mídia algo macabramente delicioso em se tratando do retorno financeiro, em dividendos financeiras para as emissoras. Mais o pior dos piores é isto: a escolha pensadamente, propositadamente do que iremos assistir, do que iremos compadecer, ao se dar prioridade por exemplo, para a queda de um avião onde centenas de riquinhos franceses morreram, enquanto pelo mesmo motivo morreram centenas de pobres africanos, nós estamos mostrando o quanto a nossa compaixão é ridícula e hipócrita, pois ela atua de acordo com a decisões externas de terceiros em detrimento de nós mesmos, resumindo a mídia é que escolhe a seu bel prazer como iremos nos compadecer.(Seque amanhã)

OBS. Eu peço desculpa de ter me desviado do foco deste ensaio que é mesmo a mídia, para falar de COMPAIXÃO, mais algo está me incomodando a tempos, nestes últimos meses, venho colocando em algumas comunidades, o 'post' ENTERRANDO A MORTE' do ano passado, eu acho, e eis que para minha surpresa, ninguém teve a ousadia de fazer, um comentário, uma critica, um simples deboche tão peculiar nas comunidades, e aí cheguei finalmente a seguinte conclusão.:::: Como é dúbio o conceito de compaixão, nós não nos sentimos a vontade em comentar nada que diz respeito a morte, mais nos deleitamos, ou mesmo abonando com todos os procedimentos pouco ortodoxo da mídia sobre este mesmo tema.

O QUE ENTÃO É COMPAIXÃO: A COMPAIXÃO HUMANA, É APENAS UMA VONTADE EXARCEBADA DE SE COMPADECER, no sentido bruto e irrevogável do termo. Eis aí a NOSSA VERDADE INCONVENIENTE.