terça-feira, 21 de julho de 2009

LÍNGUA IMPRESTÁVEL


O que é que é pior do que ter nascido brasileiro? Pior do que isto só mesmo ter que falar português, a nossa língua, não é apenas má sorte de termos sido descoberto pela caravela de Cabral, se trata mesmo de uma maldição, e o que é pior só nos atrasa, nos prejudica, e nos encolhe. Pois apesar de sermos tão grande, tão majestoso, e tão esplêndido, todo este esplendor fica do tamanho da Ilha de Paqueta, quando nos é lembrado e ressaltado que no entanto o nosso idioma é o português. Não fiz nenhuma pesquisa, mais acredito que menos de 300 milhões de pessoas mundo afora fala o idioma do Lula, digo de Camões, não é pouco, uma quantidade razoável de habitantes, mais como se trata de uma língua imprestável, e maldita, de nada adianta, se há tanta gente falando português, sendo que nada se aproveita desta língua. Nem mesmo para nós ela é útil, no sentido literal, pois os nossos clássicos da literatura são os Russos, Italianos, Ingleses, Espanhóis..., o mesmo pode se dizer da musica, do teatro e de todo tipo de arte venerada pelo brasileiro.

Na América do Sul, nós somos um grande, imenso país, somos indiscutivelmente um gigante, mas... de coração, mente e corpo de um desastrado, adorável e sensível ursinho de pelúcia. Somos incapaz de fazer valer nosso poder (poder?) de influencia para que quer que seja, entre nossos vizinhos sul-americanos, esta tarefa aliás, a Argentina desempenha louvadamente melhor do que nós. E mais uma vez podemos sem remorso, culpar nosso idioma, que ao meu ver, é um dos maiores responsável pelo nosso atraso, em todo os sentidos, não que seja mais uma desculpa, e sim que o português como língua falada e escrita é mesmo uma maldição, e que só será suplantado se fosse no contexto da superação total, ou seja seria necessário que houvesse nascidos mais l milhão de Oscar Niemeyer, mais 2 milhões de Rui Barbosa, mais 3 milhões de Machado de Assis, mais 6 milhões de Renato Manfredini e 13 milhões de Nelson Piquet, com todo este contingente de mentes brilhantes acredito que a maldição da língua seria deixada para trás, acredito mesmo quem nem o francês nem o italiano, muito menos o inglês, seria pareio para nós, assim o Brasil finalmente entraria para o rol de países serio e respeitáveis, e deixaríamos no passado um lugar, em que as pessoas só lembravam que existia por causa de uma floresta, onde macacos, cobras, e só isto mesmo, era mais lembrado que a própria língua-mãe. Além deste formidável contingentes de mentes brilhantes, a outra alternativa para suplantarmos a maldição da nossa idioma, seria uma grande revolução educacional em nosso país, mais aí, galerinha seria pensar alto, pura utopia. E por falar em sonhar alto, e em utopia, acho que vou jogar na mega-sena.

Pior mesmo que falar e se expressar em português, é pensar , raciocinar em português. Sim é isto aí, nobres camaradas, o se sentir português, é que reside a maldição.