sábado, 13 de junho de 2009

PAI, POR QUE AS CRIANÇAS MORRERAM? - Parte III

O propósito da morte destas crianças talvez, seja mesmo para nos alertar que por mais que tentamos, por mais que especulamos a nossa vida, é algo de desproporcional com a nossa própria vida, o valor das coisas, a dimensão destes valores soa pequeno, diante da complexidade da questão, é como se tudo que estudamos, e sabemos não tem nenhuma relevância, de concreto, toda sabedoria humana, só é útil para se proteger das inúmeras adversidades que o planeta nos oferece. A nossa existência só se justifica se for pela otica da sobrevivência, a qualquer custo, e isto não nos dá o direito de nos considerarmos racionais, inteligente perante a formiga, porque do resto nada serve, nem mesmo para nos tornar mais felizes, ou mais bonito, do que vale a inteligência se sua única serventia é enobrecer o homem, é tornar o homem mais invejado, mais exemplar, e isto para que? para seu semelhante? Somos o que pensamos que somos, por somos únicos, e só.

Não me agrada a ideia de ridicularizar o homem diante de si mesmo, mais o que fazer se a cada dia estamos mais 'sublime', é preciso que alguém, um idiota, pode ser, para lembrar que ao negar a plenitude da vida para estas crianças, se está também negando o nosso próprio conceito de genialidade, de intelectualidade, o homem vive para si, pensa para si, existe para si, é necessário mesmo lembrar que assim como as formigar somos apenas meros seres desprezáveis, e que o valor de cada um, representa apenas o que representa uma gota no oceano, como se dá valor ao que não se tem, por acaso você pensa, antes de esmagar uma formiga?(seque amanha)