segunda-feira, 25 de maio de 2009

ENTREVISTA DE JOSE MURILO DE CARVALHO AO JORNAL O GLOBO


Sábado dia 23 o senhor José Murilo de Carvalho, concedeu uma entrevista para o jornalista Roberta Jansen, do jornal O Globo, e em determinada parte ela instigou o entrevistado com a seguinte pergunta: - Mas a reação da população não deveria ser mais raivosa? Sobretudo numa sociedade ainda tão desigual? Eis que o senhor José Murilo de Carvalho respondeu: - "Uma das politicas para reduzir a desigualdade, que era o bolsa escola no governo de FH e agora virou bolsa família, atinge quase um terço da população do país. Isso gera duas opiniões: a pública e a popular. A pública é aquela veiculada na imprensa...¨.

No meu artigo "A Verdadeira Opinião Pública", eu digo que só existe um tipo de opinião pública, que é aquela diagnosticada pelas pesquisas de opinião, que é o que realmente importa, pois ela é que comporta o povo, a sociedade, o país. Quando um sujeito afirma, ou melhor define a opinião de uma minoria, que é a elite, como pública, e a outra como popular, ele está simplesmente divagando, no tema, 'opinião pública', e colocando a elite no campo que não lhe diz respeito. E o pior nisto tudo é que o Senhor José M. de Carvalho é na verdade um historiados e cientista politico, é por estas e outras que o Brasil continua sendo um país sem identidade. O sujeito ainda terminou o paragrafo com a seguinte frase: - "Veja, a democracia é um luxo que funciona bem com a igualdade".

Aqui comigo, se por acaso acontecer um dia, de um canadense encontrar o Brasil em uma rua de Toronto, ele pode perfeitamente pegar, olhar e logo em seguida amassar e jogar o Brasil na primeira lixeira que encontrar (é lógico que antes , ele retira a Vale, a Petrobrás, e a Amazonia para sí),e se isto de fato acontecer, que já está acontencendo só quem não vê, quem não quer ou quem tem uma certa dificuldade de raciocinar, eu tenho absoluta certeza que ninguém no mundo sentira nossa falta, ninguém percebera que o Brasil foi jogado numa lixeira. Afinal nós brasileiros somos apenas fantoche no nosso atual mundo civilizado. Portanto a covardia intelectual - fecundada nas universidades - é mesmo o nosso lema.


A propósito o jornal escreveu o seguinte sobre o cara: Membro da Academia Brasileira de Letras e da Academia Brasileira de Ciências, Carvalho acabou de ser agraciado com o Prémio Almirante Álvaro Alberto, considerado a mais importante honraria na área de ciência e tecnologia do país. É mole ou quer mais.