sexta-feira, 6 de março de 2009

A MORAL DA ANARQUIA

- Anarquia não é sinonimo de desordem, de bagunça como crê os donos da lei, com a cumplicidade dos doutores professores. Anarquia é antes de tudo sinonimo de bom senso em favor da própria lei, não as leis feita pelo homem que são por demais exageradas, e sim as leis humanas, aquelas leis que nascemos e morremos disposto a defender;

- A moral quando não é imposta, quando não é alienada, nem forçada, ela é sim uma aliada dos anarquistas;

- As pessoas 'felizes' geralmente são aquelas que aceita em silencio e de bom grado, e principalmente sem discutir, tudo que diz respeito as boas maneiras, bons costumes, a moral, o vocabulário, e tudo que nos é imposto pelos ditames da sociedade. A felicidade neste caso é o mesmo que alienação, pois não se vive plenamente sem se discordar de algo, o excesso de perfeição é prejudicial a saúde mental e coloca em risco a nosso própria personalidade;

- O tolo perante a sociedade não é aquele que proclama a liberdade a todo custo, e sim aquele que defende as leis a todo custo;

- A Internet esta aí , para provar que quando se tem excesso de liberdade, de pensamento, se tem também uma espécie de auto censura, de auto controle, utilizada por seus próprios membros, um exemplo disto é o aumento cada vez maior de denuncia via Internet sobre pedófilos. Anarquia é necessária para nos fazer perceber que a ordem é útil para impor certos limites, mais que podem ser útil para impor limites nos excessos de limites.

- Os anarquistas são vistos aos olhos da sociedade como verdadeiros delinquentes, pessoas desordeira, possuídas, seja lá o que isto signifique, o interessante nisto é que todos admitem no fundo sentir um sentimento comparável a inveja, como se lá no fundo algo dissesse que eles são sim exagerados, perante as leis, mais delinquentes não senhor;

- O maior inimigo da sociedade não é o anarquismo, são os acomodados, pois são eles que travam qualquer forma de evolução, progresso, e também na própria liberdade, que diga os semi analfabetos de plantão;

- A ordem social, como a que temos hoje, é a principal responsável pela infelicidade humana, e tudo que podemos extrair dela, veja o caso dos depressivos, dos suicidas, do ódio humano e tudo mais de ruim que a sociedade impõem que fingimos não existir;

- O homem feliz é aqueles que finge obedecer as leis, os bons costumes, os deveres, a gramática e todo tipo de imposição, este é o homem feliz o resto é infelicidade encoberto pela mascara do ressentimento e inveja;

- O bom de escrever sobre anarquia é que ninguém leva isto a sério, tratada sempre como coisa de adolescente, pura bobeira, coisa de gente FELIZ e ALEGRE e inconveniente.