segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

A MORAL DA INDIGNAÇÃO - Parte II

Nós brasileiros somos realmente um povo estranho, muito estranho. O que dizer de um povo que não conhece, nunca conheceu, nunca sentiu o poder de se indignar, de se revoltar, pois para nós tudo é normal, é comum, é 'permitido', tudo é aceitável, o que dizer de um povo que aceita coisas desses tipo, como se fossem normais:

- Para nós, a nossa educação é boa é razoável, a escola de nossos filhos é boa, os professores são bons, o Ministério da Educação faz o que pode;

- Para nós é normal um senhor de 50, 60 anos ter relações sexuais com crianças de 7, 8, 9... anos para nós os casos de pedofilia são casos isolados, que acontecem muito raramente;

- Para nós, é normal crianças de 7, 8, 9... anos se trancarem no quarto e ficarem horas navegando na Internet;

- Para nós, uma pessoa pode concorrer a cargos públicos, mesmo tendo respondendo processos, e muitos condenados nos mais nebuloso tipos de crimes;

- Para nós a imoralidade dos políticos tem que ser aceito, engolido, por que nada podemos fazer;

- Para nós, é aceitável o fato de hoje, o estado de Goiás, registrar o maior numero de denuncia de trabalho escravo, tudo por causa do aumento das usinas de etanol:

- Para nós é normal o sujeito vender sua cidadania, através do voto, vender mesmo sua honra, por entender que as propostas dos candidatos são 'ousadas-financeiramente falando', e de ser algo praticamente irrecusável, afinal é apenas um voto, não é mesmo?;

- Para nós, errar feio, é apenas um sinonimo de fragilidade:

- Para nós é normal nascer e morrer na miséria;

- Para nós, as monstruosidade do nosso dia-a-dia, é aceitável, normal, afinal tudo vai ficar por isto mesmo, não é?;

Um povo que acha tudo isto como sendo normal, que aceita tudo isto com naturalidade, vai se indignar com o que?Tudo bem, se a telinha da televisão insistir, somos até capaz de nos indignar, não é mesmo?
Vamos lá galera, onde está nossa indignação? Onde está o amor, a compaixão, a serenidade? Onde está a perplexidade? Onde está o bom senso? Ou será que nós somos tão indiferente assim mesmo, ou será que nós somos tão pedra, isto é normal?