quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

A MALDIÇÃO DA MENTIRA

O filosofo disse: "Há um ódio contra a mentira e a dissimulação que procede de uma sensibilidade da questão de honra; há um ódio semelhante por covardia, uma vez que a mentira é interdita pela lei divina. Ser covarde demais para mentir...".

A minha filha não acredita em Papai Noel, para ela é apenas mais uma invenção maravilhosa da Disney e da Coca-cola, e nem por isto ela é menos criança, menos angelical, menos sonhadora, menos infantil, menos brincalhona, menos feliz. A mentira em torno de Papai Noel, é a verdade que negamos e vice-versa. A religião obriga que sejamos justos, verdadeiros, correto, perfeito feito a semelhança de Deus. Ao mentir estamos sendo cretino, estamos sendo maldoso, mais também estamos sendo verdadeiro, no que diz respeito a nós mesmos. As vezes é melhor mentir que ter que falar certas verdades. Certas mentiras deixa de ser mentira quando nos alivia de um peso imaginário. A verdade é justa, é sempre justa, o problema é quando ela não é compartilhavel, quando não pode ser compartilhada. Toda verdade que não pode ser compartilhada é na verdade uma mentira. O ódio que temos por quem mente, é apenas inveja. Mentir não é certo, mais em algumas ocasiões é necessária é aceitável. Toda verdade, esconde uma mentira. A mentira só se transforma em mentira quando ela não pode ser compartilhada, pois ao compartilharmos uma mentira ela passa obrigatoriamente a ter peso de verdade. Ao nascermos foi nos lançado uma maldição, a maldição da mentira, por ela sofremos, e nos amaldiçoamos, nos desgraçamos, tudo em pró de uma verdade que a humanidade não pode compartilhar. A nossa covardia quanto a mentira é sublime é majestosa, afinal quem se define como mentiroso!(Se você não entendeu , leia de novo antes de sair por ai pensando merda...)