quarta-feira, 15 de outubro de 2008

FANATISMO -Parte II

É bem provável que a forma de fanatismo mais antiga, e uma das mais atroz é sem duvida a religiosa, aquela que se faz em nome de uma religião de um determinado deus. Por causa disto milhões de pessoas foram mortas nas piores formas possíveis. Hoje apesar de todo um aparato em torno do conhecimento, ainda assim existem o fanático religioso e diga se de passagem são pessoas dignas de manicómio, porque estas pessoas se coloca em um mundo inexistente, que só existem em suas cabeças, onde o mal e o bem são colocados dentro de um mesmo parâmetro, onde o certo e o errado são seguidos tão cegamente que as vezes fica difícil se saber onde está realmente o bem e o mal. E é curioso que geralmente esse comportamento masoquista é observado na maioria das vezes em pessoas que mudaram de religião, como por exemplo os ex-católicos, que agora se transferiram para as ditas religiões de células ou mesmos algumas evangélicas, ou então é o caso explícitos de pessoas que fizeram de suas vidas uma verdadeira babel de comportamentos estranhos e levianos, e agora na ânsia de ver suas pobres almas salvas e perdoadas se transformam em religiosos fanáticos e consequentemente insuportáveis. Inicialmente , pode-se confundir uma pessoa apenas religiosa com um fanático religioso, porém as diferenças podem ser sutis, por exemplo, o religioso ver na 'moral' um instrumento para valorizar o lado certo do humano, para engrandecer o lado bom da humanidade, enquanto o fanático religioso ver na 'moral' um instrumento para ratificar e engrandecer a sua verdade que para ele é única e incontestável. É a tal coisa dependendo de como se ver de como se analisa, a 'moral' nestes casos pode ser tão desprezível como seu próprio pregador.