sexta-feira, 17 de outubro de 2008

AMAR O PRÓXIMO

Amar o próximo como a si mesmo. Que frase é esta? Qual seu real significado? Qual seu real interesse? Existe, hoje este tipo de amar? A frase sem dúvida é extraordinariamente bonita e ao mesmo tempo complexa, intrigante por assim dizer, afinal acarretaria amar alguém incondicionalmente e isto tem um custo, o da compaixão no seu limite mais intenso e mais doentio. A frase é bonita, porque se fosse levado a sério ou melhor se existisse a possibilidade de pôr-se em prática não resta a menor duvida que o paraíso seria aqui, o mundo perfeito seria real. Ao mesmo tempo é uma frase hipócrita no seu grau mais elevado e não estou sendo leviano, estou sendo realista com a própria condição humana, realista com a nossa existência enquanto sociedade. Eu adoraria estar errado, mais no entanto todos nós sabemos que o egoísmo nos dias de hoje se sobrepõem de forma esmagadora sobre qualquer forma, qualquer tipo de amor, de compaixão, de verdade e de bom-senso. E se esquivar desta indigesta verdade, significa tão somente que estamos sendo falso com nós e com o próximo.