sexta-feira, 5 de setembro de 2008

HALOISA CARVALHO ALVES

Esta noite eu tive um sonho, que de tão real, por um instante, pareceu me transportar para uma outra dimensão, seja lá o que isto significa. Sonhei que no dia do meu nascimento eu estava lá assistindo, era como eu estivesse sobrevoando a sala de parto. Logo vi pela primeira vez a imagem majestosa de minha mãe, tão linda e alegre. Neste momento ligaram algum tipo de aparelho que me pareceu ser um ventilador, e um forte vento eu senti, e do nada eu comecei a ver imagens de um tempo que não volta mais, sem nenhuma ordem cronológica. Minha mãe me amamentando, me acariciando, me educando, em seguida vieram as viagens as inúmeras viagem que eu fiz em companhia de minha mãe, uma se destacou que foi de Araguaina a cidade de São Luiz no Maranhão, nestas imagens ela sempre demonstrava alegria ao viajar em minha companhia, em outra passagem eu notei que já tinha algo como 05 ou 07 anos percebi que minha mãe saia logo ao amanhecer, para logo em seguida aparece ela ao lado de um quadro negro escrevendo números e mais números, a impressão que tive é que ela era professora de matemática. Aconteceu de repente tudo ficou claro, como se a minha mãe existisse apenas em meus pensamentos, e logo em seguida, talvez por egoísmo, comecei a ver apenas minha própria imagem, ora me casando, ora viajando, morei em tantas casas que segue deu para contar, ora aparecia Búzios, ora Anápolis, Rio de Janeiro, Salvador, e uma porções de outras cidades, novamente veio uma luz clara e sufocante, não via nada, apenas um choro de um recem nascido, era as quatorze horas do dia 13 de Dezembro de 2002 na maternidade vila nova na cidade de Goiânia, aparentemente a criança era minha filha , só não entendi porque nesta mesma hora eu estava em Búzios. Novamente a imagem de minha mãe aparece, assim do nada, e junto ouvia uma voz de tom sereno e firme falando: -esta é sua mãe, a pessoa mais inteligente, que já conheci, a sua grandeza de caráter e sua firmeza é algo maravilhoso, a sua mãe educou uma geração inteira, ela fez homem aquele que tinha nascido bandido, fez mulher aquela que tinha nascida presidiaria, para ela não havia melhor ou pior hora, quando se tratava de ajudar as pessoas, quantas vezes eu a vi levantando de madrugada para levar pessoas doentes, mulheres grávidas para o hospital, o seu carro parecia mais uma ambulância, levava pessoas vivas e mortas, tamanha é sua generosidade., para ela ser solidaria era tão comum que........ o tom de sua voz abaixou de repente, a ponto de ouvir apenas sussuros, e se tornou angustiante porque eu me esforçava para ouvi, e não conseguia foi me dando uma crise de choro , e do nada a voz se tornou audível e eu sorria, sorria, sorria um sorriso em forma de angustia, aos poucos eu via minha mãe me abraçando e me pedindo desculpa por não ter sido uma mãe que gostaria de ter sido, e eu falava, a senhora que me desculpe minha mãe, porque....... acordei, e logo pensei, o que foi que eu fiz de minha vida? nada, esta é a resposta, e neste momento eu estou feliz e alegre a pessoa mais feliz do mundo porque minha mãe é a mesma mãe do sonho, a perfeita mãe a minha querida mãe e o seu nome é HALOISA CARVALHO ALVES.