terça-feira, 15 de julho de 2008

A Alienada Elite de Xambioá


Eis a Elite Xambiauense: Onde estão os Comerciante com a sua Associação Comercial? Onde estão os Fazendeiros; Onde estão os Maçons com sua Maçonaria? Onde estão os Agiotas, Funcionários públicos federais e estaduais aposentados ou não, onde estão os Profissionais Liberais, Onde estão o Padre e os Pastores? Eu gostaria muito de saber onde estas pessoas se encontram e principalmente o que estas pessoas fazem de relevante no município. Ou será que todos estão tão sincronizado na critica estúpida e pessoal ao prefeito, que esquecem de seu papel perante a sociedade xambiauense. É urgente a criação de uma AGENDA SOCIAL para o município independente de questões politicas e pessoais. É inadmissível que hoje na cidade haja um absurdo de famílias morando em casebres de palha, que haja um absurdo de famílias passando fome e na miséria. É inaceitável que o nível educacional da cidade,tenha se tornado um fracasso literalmente. Tudo isto em um município tão rico e com tantas fartura. Dai a importância da sociedade com sua ELITE e sua representatividade estar sempre pronta a fazer algo, ou pelo menos suavizar, os problemas onde o poder público não alcança. Em todo município com o mínimo de organização, existe uma espécie de Agenda Social(Associação ONGs ou algo parecido) paralelo ao que é feito pelo poder público. Só em Xambioá é diferente, aqui todos a ELITE ficam de braços cruzados falando merda e com suas caras de Amélia(Nada contra a Dona Amélia). Não perderei meu tempo mencionando os vereadores, porque sua representatividade é tão ausente como inexistente, o mesmo pode se falar dos xambiauense turistas que são aqueles que visitam a cidade em Julho e no Carnaval e quando chegam se tornam os hipócritas da vez. Portanto esta é nossa ELITE. nossa Verdade Inconveniente e falar dela é lembrar que a essência humana é puramente egocêntrica e ser solidário é antes de tudo fazer com que a humanidade avance, para que enfim, nos tornemos humanos, é como disse certa vez nosso Carlos D. de Andrade "Cumpra sua obrigação de ser solidário, sob pena de viver na aparência. De ter o seu cadáver ignorado.